Consultor Jurídico

NOTICIÁRIO JURÍDICO

A Justiça e do Direito nos jornais deste sábado

Reportagem do jornal Folha de S. Paulo revela que desde o fim de 2008, aumentou em 11,2% o número de reclamações trabalhistas. Se comparados o primeiro trimestre de 2009 com o mesmo período de 2008, foram 50 mil novas ações. As ações questionam o descumprimento de obrigações trabalhistas no período do contrato de trabalho, como hora extra e férias, ou mesmo reclamações sobre o valor recebido da indenização na demissão. Os números escondem as ações coletivas que, estatisticamente, são contabilizadas unitariamente, mas representam dezenas, centenas e até milhares de trabalhadores demitidos.


Regra eleitoral
O jornal Folha de S. Paulo informa que a Associação Nacional de Jornais criticou o projeto de nova lei eleitoral, aprovado na quarta-feira pela Câmara dos Deputados. Embora não seja concessão pública, a internet poderá ter as mesmas regras eleitorais previstas para rádios e TVs. "Nem bem comemoramos a decisão do STF, de abril de 2009, derrubando a antiga Lei de Imprensa do regime militar, e já surgem novas tentativas de limitar, numa penada, a liberdade de expressão dos jornais, por meio de um projeto sobre o qual não houve qualquer discussão pela sociedade", disse a ANJ em nota.
Advogados especialistas também criticaram pontos da proposta. De acordo com o projeto, acaba a inelegibilidade para candidatos que deixarem dívidas de campanha. Segundo o ex-ministro do TSE, Torquato Jardim, o "direito eleitoral é o único ramo do direito no qual o destinatário da norma de conduta redige a própria norma". Ele constata que toda vez que a Justiça Eleitoral avança e restringe a ação política, o Congresso muda a lei. Apesar de críticas, o ex-ministro do TSE diz que a regulamentação para campanha eleitoral na internet é positiva.
Clique aqui para ler no ConJur.


Fundo partidário
Especialistas e entidades entrevistados pelo jornal O Estado de S. Paulo também criticaram o projeto de lei que muda regras eleitorais. Para eles, o projeto acabou mascarando medidas que beneficiam e aliviam a fiscalização dos partidos e da classe política.
Pela regra atual, as legendas podem aplicar apenas 20% do que recebem do fundo partidário na contratação de funcionários. Pelo projeto de lei, que agora segue para o Senado, esse número sobe para 50%. Para o advogado Everson Tobaruela, que esteve à frente da Comissão de Direito Político e Eleitoral da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), isso permitirá que partidos inchem sua base de funcionários. Na prática, acredita ele, surgirá uma brecha para que recursos públicos financiem indiretamente a contratação da mão de obra que será aproveitada nas campanhas eleitorais. "O que nós enxergamos é que os deputados sempre encontram uma forma de tomar o dinheiro público", afirma.
"É preocupante esse relaxamento nos mecanismos de fiscalização", avalia o cientista político Aldo Fornazieri, da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). "Em geral, o projeto possui avanços importantes. Ainda assim, vemos algumas brechas casuísticas sendo criadas", completou.


Máfia dos combustíveis
A Justiça Federal do Rio de Janeiro condenou 14 pessoas acusadas de sonegar e adulterar combustíveis. Eles foram condenados pelos crimes de formação de quadrilha, falsidade ideológica, corrupção ativa e passiva, tráfico de influência e advocacia administrativa. Cabe recurso. Segundo a denúncia do Ministério Público, o grupo levava o combustível para o Espírito Santo, onde o ICMS é menor, mas o destino final das cargas era Campos dos Goytacazes (RJ). De acordo com o MPF, o grupo contava com o apoio de servidores públicos lotados em setores estratégicos. Segundo a denúncia, um fiscal da ANP avisava quando iria ocorrer uma fiscalização em Campos. As informações são da Folha.


Falta de provas
O Tribunal de Justiça de São Paulo suspendeu o processo contra a empregada doméstica Anita Maria dos Santos, 52, acusada de tentar matar um bebê de três meses na casa em que trabalhava em 2005. Reportagem da Folha revela que o desembargador Cláudio Caldeira considerou contraditórios os depoimentos dos pais. Segundo ele, um vídeo feito pelos pais da criança não comprovava que a empregada misturasse material de limpeza à água nem que o líquido fosse para o consumo do bebê. Ele ressaltou que os laudos não detectaram a presença de água sanitária na água analisada. Com a decisão, a empregada não será julgada pelo tribunal do Júri e o processo fica suspenso até que o crime de tentativa de homicídio prescreva, em 20 anos. Durante o período, pode ser reativado caso surjam novas provas.


Planos econômicos
O Globo informa que o ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal, negou liminar à Confederação Nacional do Sistema Financeiro para suspender o pagamento de diferenças relativas aos planos econômicos aos poupadores. O relator da ação em que a confederação questiona no STF a constitucionalidade dos planos, ministro Ricardo Levandowski, já havia negado liminar.
Clique aqui para ler no ConJur.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de julho de 2009, 11h45

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 19/07/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.