Consultor Jurídico

Perfil no Orkut

MPF quer que Justiça Federal julgue crime na Web

O Ministério Público Federal em Tocantins entrou, nesta sexta-feira (20/2), com recurso junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região, contra decisão da Justiça Federal, que havia declarado não ter competência para julgar crime contra a honra de menor cometido em meio virtual. A Justiça Federal determinara a remessa dos autos do processo à Justiça Estadual, na Comarca de Araguaína (TO).

No recurso, o MPF defende que a investigação, processo e julgamento deste tipo de crime devem “ter curso regular na Justiça Federal, conforme estabelece o artigo 109 da Constituição Federal”. O MPF sustenta, ainda, que “o Estado brasileiro se comprometeu, através da Convenção Internacional Sobre os Direitos da Criança, a protegê-las contra atentados à sua honra e a sua reputação, conforme prevê o artigo 16”.

Investigações do Departamento de Polícia Federal no Tocantins mostram que uma menor teve seu perfil no site de relacionamento Orkut invadido, sua senha pessoal e o seu login alterados. Segundo o MPF, foram inseridas frases que atentam contra a honra da menor, que tem 12 anos. O MPF pediu à Justiça Federal do Tocantins a quebra do sigilo de dados de informática do responsável pelas alterações ilegais realizadas no perfil da menor. A imediata exclusão do perfil adulterado também foi solicitada.

Mas a Justiça Federal entendeu que compete à Justiça Estadual processar e julgar os crimes contra a honra de menor, ainda que cometidos através da internet, sob o fundamento de que “não há tratado internacional assinado pelo Brasil com o intuito de reprimir este tipo de crime”.

Ao recorrer da decisão, o Ministério Público Federal sustentou que “o Congresso Nacional, através do Decreto Legislativo 28, de 24/09/90, bem como o governo federal, por força do Decreto 99.710, de 21/11/90, incorporaram ao direito pátrio os preceitos contidos na Convenção Sobre os Direitos da Criança, que prevê, entre outras coisas, que os Estados Partes darão proteção legal à criança contra atentados à sua honra e a sua reputação”. O MPF demonstrou, ainda, a internacionalidade do delito, cujos efeitos alcançaram todo o planeta, uma vez que o meio de divulgação utilizado foi a internet.

Em seu recurso, o MPF argumenta que a justificativa contida na decisão impugnada de que "a Convenção sobre os Direitos da Criança não estabelece medidas específicas para repressão dos delitos contra a honra cometidos em desfavor de menores", não constitui fundamento apto a afastar a competência da Justiça Federal. Embora a Convenção Internacional Sobre os Direitos da Criança não preveja crimes de pornografia infantil e pedofilia, diz o MPF, “a jurisprudência brasileira é firme no sentido de que esses crimes, quando praticados pela internet, são de competência da Justiça Federal, devendo ser utilizado o mesmo entendimento no caso de crime contra a honra de crianças”.

O MPF cita precedente do Supremo Tribunal Federal, o HC 86.289, cujo relator foi o ministro Ricardo Lewandowski,em que o STF concluiu ser desnecessária a expressa tipificação do delito na Convenção Internacional, bastando sua previsibilidade, que, no caso de crimes contra a honra de menor, pode ser encontrada no artigo 16 da Convenção Internacional Sobre os Direitos da Criança.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de fevereiro de 2009, 18h33

Comentários de leitores

2 comentários

é o fim da picada

daniel (Outros - Administrativa)

é o absurdo do absurdo achar que questáo de perfil no orkut é na justiça federal. Em breve diráo que tudo tem que ser na justiça federal, pois é baseado em lei federal !!

competência Justiça estadual

Republicano (Professor)

A competência é da Justiça estadual. Crime na internet é da competência Justiça estadual, e não se enquadra em nenhuma fórmula do artigo 109 da CF.

Comentários encerrados em 28/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.