Consultor Jurídico

Questão de segurança

STJ libera nova licitação para compra de coletes

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Cesar Asfor Rocha, acolheu recurso do estado do Paraná e suspendeu decisão do Tribunal de Justiça que proibia novo pregão eletrônico de licitação para compra de coletes à prova de bala. Os coletes estavam sendo adquiridos para atender às polícias militar e civil e ao Departamento Penitenciário (Depen).

O governador havia anulado um procedimento licitatório para a compra dos coletes devido à “contagem ilegal de prazos processuais que ensejou ofensa aos princípios da legalidade, da moralidade e da isonomia”. E abriu novo procedimento.

A empresa Interfabric Indústria e Comércio Ltda, que participou e venceu a licitação anulada pelo estado, entrou com Mandado de Segurança no Tribunal de Justiça do Paraná, pedindo que a nova licitação fosse suspensa. O TJ-PR atendeu o pedido e suspendeu a nova licitação.

O ministro entendeu que ficou configurada a grave lesão à segurança pública. Para Asfor Rocha, sem os coletes, algumas atividades mais arriscadas passarão a ser feitas com menor frequência ou nem mesmo serão praticadas, expondo mais ainda a população ao crime.

O estado sustentou a ocorrência de grave lesão à ordem, à segurança e à economia públicas. Argumentou, também, que os servidores, ao atuar sem coletes à prova de bala ou com coletes com prazos de validade vencidos, correm risco de vida e de integridade corporal, sendo substancialmente mais elevadas suas chances de morte ao receber disparos de arma de fogo. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

SS 2.256




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 5 de agosto de 2009, 11h20

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 13/08/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.