Consultor Jurídico

Ressocialização

Supremo nega HC a condenado por crime hediondo

O Plenário do Supremo Tribunal Federal negou o pedido de Habeas Corpus no qual o preso Marcos Pereira da Silva questionava o decreto presidencial 4.011/2001, que veda a concessão de indulto natalino aos condenados por crime hediondo. O preso alega que, embora o artigo 5º, inciso XLIII da Constituição diga que os crimes hediondos são insuscetíveis de graça ou anistia, não haveria na Carta a mesma previsão sobre o indulto.

Para o relator do caso, ministro Cezar Peluso “pelo fato de não existir a vedação expressa ou inferida na Lei Maior à concessão de indulto a condenados pela prática de crime hediondo, não se pode cogitar a inconstitucionalidade das normas incidentes no caso”. Peluso lembrou casos semelhantes em que a Corte teve entendimento equivalente, e a votação foi unânime.

Peluso frisou que o decreto diz expressamente, no artigo 10, que os benefícios previstos não alcançam os condenados por crimes hediondos. “Está claro, pois, que o indulto parcial foi expressamente denegado aos condenados por tais crimes”. Ele lembrou que a concessão do indulto é ato tipicamente facultativo do chefe do Poder Executivo.

Silva foi preso em 14 de abril de 1996 e condenado a vinte anos de regime fechado por roubo seguido de morte – motivo que o impede de ter direito à saída do Natal.

O indulto natalino, que é concedido no final do ano representa um perdão ao condenado em condições de merecê-lo, proporcionando-lhe a oportunidade de retorno útil ao convívio da sociedade. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

HC 81810




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de abril de 2009, 5h12

Comentários de leitores

2 comentários

Parabéns!

Neli (Procurador do Município)

Uma decisão que se adequou às normas constitucionais.

Finalmente

Espartano (Procurador do Município)

Finalmente uma decisão do STF em favor da sociedade e não do indivíduo. Pena que é só uma entre tantas outras que dão guarida à pessoas não merecedoras de qualquer benesse do Estado...

Comentários encerrados em 25/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.