Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação Satiagraha

Daniel Dantas comparece para depor na 6ª Vara Federal Criminal

Depois que o Superior Tribunal de Justiça rejeitou o pedido do banqueiro Daniel Dantas e não suspendeu audiência marcada para esta quarta-feira (22/10), na 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, ele compareceu para depor para o juiz Fausto Martin De Sanctis. A sua defesa pediu Habeas Corpus ao STF contra a decisão do STJ, mas o pedido não foi julgado em tempo.

De acordo com informações da Agência Brasil, Humberto Braz e Hugo Chicarone, acusados de tentar subornar um delegado da Polícia Federal para retirar o nome de Dantas das investigações da Operação Satiagraha, também compareceram para depor.

Segundo o advogado de Dantas, Nélio Machado, o juiz só poderia julgar crimes contra o sistema financeiro nacional e de lavagem de dinheiro. Por isso, orientou seu cliente a permanecer calado no interrogatório.

Os três já foram interrogados pelo juiz De Santis mas, em virtude da criação da Lei 11.719 — sancionada depois da deflagração da Satiagraha — que modificou o Código de Processo Penal, eles tiveram de ser ouvidos novamente.

A lei determina que o interrogatório do réu ocorra no final do processo. Como eles haviam sido ouvidos antes das testemunhas de defesa e de acusação, a Justiça decidiu que fossem ouvidos novamente. “Houve uma mudança legislativa e o juiz, por conta dessa mudança, deu oportunidade para que os réus se manifestassem novamente”, disse o procurador da República Rodrigo de Grandis, ao chegar ao local.

O advogado do banqueiro, Nélio Machado, criticou o novo interrogatório. “É uma audiência que, a rigor, não deveria existir, porque o juiz diz que a causa é simples — e ela não é simples — e ele está usando o rito da nova lei, que não pode ser aplicada como o juiz deseja”, declarou à Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 22 de outubro de 2008, 21h50

Comentários de leitores

6 comentários

Ué !?! Por que a gritaria contra a vídeo confer...

Çidadãozis Hinconformádius  (Outros)

Ué !?! Por que a gritaria contra a vídeo conferência, se na hora do interrogatório (que segundo os "entendidos" é o momento sublime que o réu encontra-se frente a frente com seu juiz natural), o advogado recomenda que o seu cliente fique em silêncio ? Isos é mais um colóquio flácido para acalentar bovino, isso sim !!!

Curioso como Daniel Dantas, há pouco tempo, ame...

Vinícius Campos Prado (Professor Universitário)

Curioso como Daniel Dantas, há pouco tempo, ameaçou contar o que sabia, recebeu um habeas-corpus e, agora, resolve silenciar diante do juiz. Se tem razão e tem tantas provas contra tanta gente, por que não fazer constar tudo em ata de audiência? E seu advogado, definitivamente, passou a entender que DD só pode ser processado, ouvido e julgado pelo STF. Criou um foro privilegiado para seu cliente. No entanto, é aquela velha frase de Kennedy: ninguém engana todo mundo por todo o tempo.

Depois das mentiras que emergiram dessa farsa, ...

João G. dos Santos (Professor)

Depois das mentiras que emergiram dessa farsa, o justo e correto seria anular tudo. Tratava-se, como se viu, de briga pelo mercado da telefonia, com muito peixe grande do governo interessado na pendenga milionária. Por que ainda não solicitaram cópia do processo que corre na Itália? Ah, muita sujeira poderia vir a público?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/10/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.