Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sumiço de apreensões

Drogas, armas e cigarros somem da PF em São Paulo, diz MPF

O Ministério Público Federal de São Paulo instaurou procedimento de controle externo da atividade policial para investigar irregularidades na Polícia Federal. O MPF irá verificar ilegalidades no registro e no armazenamento de drogas, armas e cigarros apreendidos que ficavam guardados na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo. O MPF pediu ajuda a Controladoria Geral da União no caso.

Segundo o MPF, uma das ocorrências é o extravio de 530 gramas de cocaína apreendidas no final de 2003 e dois furtos de drogas dentro da PF, onde foram levados 25 kg e de 136 pacotes de drogas. Os furtos e o extravio aconteceram entre junho de 2004 e setembro de 2005.

Armas e munições também desapareceram em três inquéritos policiais, entre outubro de 2004 e maio de 2005, chamando a atenção do procurador Roberto Antonio Dassié Diana, coordenador do Grupo de Controle Externa da Atividade Policial do MPF em São Paulo.

Em fevereiro deste ano, sumiram 30 caixas de cigarros, que foram apreendidas numa investigação de contrabando, um livro e um CD-ROM, enviados pela CPI da Pirataria.

Pelo correio

Numa fiscalização de rotina no dia 30 de dezembro de 2003, os funcionários dos Correios e da Alfândega de Ribeirão Preto detectaram as 530 gramas de cocaína dentro de uma encomenda Sedex que partia para o Canadá. A PF foi avisada na hora, mas só lavrou a apreensão em 7 de junho de 2004, em São Paulo, no cartório da Delegacia de Repressão a Entorpecentes. Não foi instaurado inquérito policial sobre o fato e o delegado-chefe da PF em Ribeirão que só foi comunicado do caso em 19 de setembro de 2007, quase quatro anos após os fatos e quando solicitou os dados da perícia no material apreendido. Ele verificou então que a droga havia sido extraviada das dependências da Superintendência, na Capital.

A instrução normativa 06/2006, editada pela corregedoria-geral da Polícia Federal, disciplina as investigações para verificação de procedência de informação (VPI). De natureza preliminar, elas são instauradas quando não é possível a imediata instauração de inquérito policial. Foi o que ocorreu no caso da apreensão da droga nos Correios. No caso, a PF, ao invés de um inquérito policial, abriu apenas uma VPI.

Ao corregedor geral da PF, o MPF pediu a abertura, em 30 dias, de um procedimento administrativo de correição extraordinária, de natureza fiscalizadora, para o levantamento de irregularidades de procedimentos na PF em São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2008, 18h50

Comentários de leitores

16 comentários

futuka (Consultor - - ) 26/11/2008 - 15:22 - a...

futuka (Consultor)

futuka (Consultor - - ) 26/11/2008 - 15:22 - adicionando mais comentários: .. - "hmm pois é..zé!": Não confundam 'baralhos com bugalhos', a Policia estadual é uma POLÍCIA é a que prende o ladrão e assaltante, os criminosos em geral, etc ..(inclusive é a que mais prende no Brasil). O DPF/MJ tem outra Polícia nada contra mais é bem distante do ideal e é sempre foi e será hierarquizada,, Agentes que trabalham sob as boas normas de um comando,, em todas as operações que fazem diligencias e as quais vem a investigar com as suas respectivas 'ordens de missões', sempre ha bons resultados, pois, o trabalho é em CONJUNTO em equipe se é que me fiz entender - nunca individualmente - NÃO EXISTE o super agente federal, ainda não foi criado essa figura. Existe SIM as boas equipes de agentes especializados. Insisto portanto quando ouvimos que 'desaparecem coisas' fruto das investigações, prisões e apreensões , é de se estranhar e muito, 'coloquem as barbas de môlho' senhores responsaveis, principalmente claro pelo grande diferencial dos vencimentos que os PFs recebem e os demais servidores do departamento! "O que irônicamente muitos Delegados e Investigadores, funcionários em geral etc da Policia civil do estado sonham receber igual 'um dia'!" - Mais de trabalho "Ó" ..tá assim! e não adianta "a chiadeira", né! Os automóveis não são os verdadeiros problemas, o foco é outro. "ALGO VAI MAL NO REINO DA DINAMARCA"(!) - Será que foi sempre assim(?) ..me pergunto!

Não se pode generalizar .O erro de alguns não p...

ROBERTO FALCÃO JUNIOR (Professor)

Não se pode generalizar .O erro de alguns não pode dar margem para manchar toda a POLÍCIA FEDERAL, tendo em vista que ela é a única polícia do Brasil que tem coragem de enfrentar bandidos como Daniel Dantas e outros tantos que a PF vem prendendo. É só pegar o mal funcionário e colocar na cadeia. A PF, por tudo que vem fazendo merece o nosso respeito e não é por um erro desse que se joga no lixo toda a sua trajetória. Os brasileiros nunca tinham visto a prisão de governadores, senadores, banqueiros e Pitas e Nahas da vida , sem contar o Maluf e família. Respeito é Bom e a PF Gosta e Merece !

Não confundam 'baralhos com bugalhos', a Polici...

futuka (Consultor)

Não confundam 'baralhos com bugalhos', a Policia estadual é uma polícia é a que prende o assaltante, criminosos em geral, etc. O DPF/MJ tem outra Polícia e bem distante e hierarquizada, agentes que trabalham sob as normativas de um comando, em todas as operações fazem diligencias e investigam com as suas respectivas 'ordens de missões'. Portanto quando ouvimos que 'desaparecem coisas' fruto das investigações, prisões e apreensões , é de se estranhar e muito, 'coloquem as barbas de môlho', principalmente pelo diferencial dos vencimentos! Os automóveis não são os verdadeiros problemas, o foco é outro. "ALGO VAI MAL NO REINO DA DINAMARCA"(!) - Será que foi sempre assim(?) ..me pergunto!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.