Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Aula de esgrima

Menezes Direito dá aula de boas maneiras em julgamento

Por 

A estridente polêmica em torno das células tronco ofereceu ao mundo jurídico mais que as discussões diretamente relacionadas ao tema em julgamento. O atual colegiado, recém formado, levou a um novo patamar o exercício da divergência que, embora seja frequente na Casa, nem sempre atinge a temperatura que chegou esta semana.

À distância, chamou mais atenção o interessante duelo semântico entre os ministros Celso de Mello e Cezar Peluso. Para os iniciados, contudo, foi mais relevante a fricção — aparentemente menos clamorosa — entre Carlos Alberto Direito e Ellen Gracie.

Entusiasmada por defender posição mais palatável para a maioria, a ministra arrojou-se contra a posição de Direito, chegando às raias do menoscabo. Antes, não escondeu irritação com o pedido de vista do colega. Depois, criticou a divergência, mesmo sabendo-a vencida de antemão. Teria avançado o sinal, na opinião de colegas. Tripudiou.

A oportunidade da resposta foi proporcionada pela própria Ellen. Direito teria se ressentido porque a ministra Ellen não respeitou o pedido de vista dele e adiantou seu voto. Não bastasse isso, na ocasião, Ellen ainda deu um pito em Direito. Justificou sua decisão de adiantar o voto porque a questão já havia chegado ao Supremo há três anos e insinuou que todos podiam ter ido ao julgamento com o voto preparado.

Direito, que havia se tornado ministro do Supremo há apenas seis meses, ouviu a bronca em silêncio. Ao apresentar seu voto nesta quarta-feira (28/5), menos de três meses depois, cumpriu a promessa de não demorar no pedido de vista. Nesta quinta, Ellen Gracie pediu a palavra e criticou o voto de Direito. Sem perder a sua característica elegância, a ministra disse que não podia acompanhar Direito porque, ao votar impondo restrições às pesquisas, ele estava extrapolando as incumbências do Supremo Tribunal Federal. Ellen também menosprezou a sugestão de Direito de que sejam feitas as pesquisas, desde que a retirada de células-embrionárias não mate os embriões. “É um trabalho de um grupo único e ainda não foi publicado. Prefiro me apoiar no que diz a maioria da comunidade científica brasileira.”

Apesar de se ter abraçado a um raciocínio sustentável e legítimo, a ministra não mostrou lá muita condescendência com a divergência. A atitude abriu as portas para uma aula de boas maneiras. Direito lembrou que a ministra adiantara o voto e lamentou por ela não ter tido oportunidade de captar todo o voto dele. Depois, repeliu as dúvidas que Ellen colocou sobre a validade do método de pesquisa por ele apresentado. E fuzilou: “Terei prazer em ceder para a ministra meu voto”.

Da sua cadeira, Ellen mostrou no semblante a sensação do golpe assestado e tentou recuperar terreno sem perder a classe, argumentando que não queria desqualificar o voto de Direito, mas que ele concentrara a defesa de sua tese em pesquisa feita por um único grupo científico. “Não é não”, rebateu energicamente Direito. “É realizada por todas as clínicas de reprodução assistida.” Ellen se calou, Gilmar Mendes deu a palavra para Marco Aurélio, o próximo a votar. Marco Aurélio resumiu assim o mal-estar: “Esta é a beleza do colegiado: o somatório de forças distintas. Nos completamos mutuamente e de forma democrática”, disse e iniciou a leitura do seu voto. O julgamento, então, prosseguiu.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 29 de maio de 2008, 21h39

Comentários de leitores

5 comentários

O Conjur continua me decepcionando: "entusiasm...

Neide Caetano Imbrisha (Advogado Autônomo - Civil)

O Conjur continua me decepcionando: "entusiasmada por defender posição mais palatável para a maioria" na opinião de quem???? Não foi só a ministra que ficou irritada com o desnecessário pedido de vista do Ministro, aliás, feito somente para agradar certos setores contrários à pesquisa. "Direito que havia se tornado ministro do Supremo há apenas seis meses..." E onde ele estava antes disso, em Marte??? Eu diria: Ministro que já era ministro do Supremo há mais de 5 meses... Três meses não é demora no pedido de vista? Finalizando não vi nenhuma aula de boas maneiras; só vi ironia, arrogância e prepotência, tanto do Ministro quanto da jornalista que escreveu esta matéria.

O pito dado em Direito foi bem dado. A ministra...

Armando do Prado (Professor)

O pito dado em Direito foi bem dado. A ministra cumpriu seu dever. Que boas maneiras não encubram manobras para favorecer o obscurantismo.

No Brasil e, infelizmente, predominantemente no...

edson areias (Advogado Autônomo - Civil)

No Brasil e, infelizmente, predominantemente no mundo jurídico, enfatiza-se a forma em detrimento da questão de fundo.Ainda assim, a Ministra Ellen Gracie não gravou nenhuma norma de polidez. Apenas foi enérgica.A articulista ousa dizer que o Ministro Menezes Direito foi ágil ao retornar os autos em apenas três meses.Isto sim, é um menoscabo à dignidade dos jurisdicionados.Concessa venia, o voto do Ministro Direito refugiu às lindes do Direito, prenhe que foi de empirismo e ideologia. Esperamos em D. que o Ministro vote melhor, mais objetivamente e de modo mais célere nas próximas questões. edson areias-advogado- Brasília

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/06/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.