Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cela isolada

Adolescente pode ficar em unidade prisional, afirma TJ-MT

A internação de adolescentes em estabelecimento prisional é plenamente possível, desde que não exista unidade corretiva no município. E mais: que os menores sejam mantidos separados de presos comuns.

O entendimento unânime é da Primeira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que negou Habeas Corpus a dois adolescentes que estão presos, isolados dos demais, na Unidade Prisional de Sorriso (420 km ao norte de Cuaibá).

De acordo com o relator do recurso, desembargador Juvenal Pereira da Silva, a prisão provisória de adolescentes em estabelecimento inadequado é perfeitamente possível quando inexiste na comarca entidade exclusiva para adolescentes. "Ressalvando-se, todavia, que deverão permanecer em cela separada da destinada aos presos comuns, com instalações condignas à preservação de suas integridades físicas", observou.

Segundo o desembargador, a segregação está motivada conforme dispõe o artigo 122, inciso I da Lei 8.069/90 (ECA). Houve emprego de grave ameaça contra as vítimas (uso de arma branca e de instrumento contundentes) e a pluralidade dos agentes.

Participaram da votação os desembargadores Shelma Lombardi de Kato (1º Vogal) e Rui Ramos Ribeiro (2º Vogal).

Revista Consultor Jurídico, 14 de junho de 2008, 0h01

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 22/06/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.