Consultor Jurídico

Notícias

Gravidez de risco

Juiz autoriza aborto de feto anencéfalo em Minas Gerais

Uma mulher que espera um bebê anencéfalo (sem parte do cérebro) foi autorizada pela Justiça de Minas Gerais a interromper a gravidez. No processo, ficou comprovado que a gestante corria risco de perder a vida, fato comprovado por médicos especialistas em gravidez de alto risco. De acordo com o juiz Antônio Belasque Filho, da 21ª Vara Cível de Belo Horizonte, o tema a ser decidido ainda não mereceu a atenção do legislador, após a promulgação da Constituição de 1988. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

“O avanço tecnológico da medicina permite o diagnóstico ainda na fase de gestação, oferecendo ao julgador elemento de convicção para interpretar e aplicar o direito no caso concreto submetido a seu prudente exame”, disse o juiz. Segundo nota divulgada pela Assessoria de Imprensa do Fórum Lafayette, na capital mineira, o juiz segue o entendimento de que a personalidade civil do homem começa no “nascimento científico da biogenética humana”.

Diz ainda a nota que isso está previsto no “projeto para a legalização do aborto eugênico” - realizado quando há suspeita de que o feto tenha doença ou anomalia que impeçam seu desenvolvimento. Agora, deverá ser expedido alvará para que a gestante seja submetida à intervenção médica, “com a urgência que o caso requer, observando o caso com cautela”, determinou Belasque Filho. A reportagem não conseguiu contato com o magistrado para que ele comentasse o caso.

A anencefalia é resultado da falha de fechamento do tubo neural, decorrente da interação entre fatores genéticos e ambientais durante o primeiro mês de gestação. A anencefalia resulta em morte do feto, em geral, horas após o nascimento ou em até sete dias.

Em julho de 2004, em decisão inédita, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu uma liminar em ação movida pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde (CNTS) garantindo às grávidas de fetos com anencefalia de todo o País o direito de interromper a gestação. O ministro concluiu que a antecipação de parto de feto anencefálico não poderia ser confundida com aborto. Em outubro do mesmo ano, o STF, porém, suspendeu a liminar por 7 votos a 4. O Código Penal brasileiro, da década de 40, proíbe o aborto, com exceção de quando há risco de a mãe perder a vida ou se a gravidez for decorrente de estupro.

Revista Consultor Jurídico, 19 de janeiro de 2008, 12h39

Comentários de leitores

3 comentários

Esse problema de anencefalia, felizmente, camin...

Luís da Velosa (Bacharel)

Esse problema de anencefalia, felizmente, caminha para uma solução consentânea.

Para fotografias da linda Marcela e de outro ...

Richard Smith (Consultor)

Para fotografias da linda Marcela e de outro "agrupamento de células inviável" perfeitamente vivo visitem o site "www.providaanapolis.org.br" do Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz (que já foi processado e condenado por chamar de "abortista" uma senhora que pugna ferozmente pelo aborto!)

"(...) a gestante corria risco de perder a vi...

Richard Smith (Consultor)

"(...) a gestante corria risco de perder a vida, fato comprovado por médicos especialistas em gravidez de alto risco". Gostaria muito de saber como a gestação de uma pobre criança a quem falta uma parte da calota craniana pode levar a essa condição?! Teria a mãe pré-eclâmpsia, talvez? Se sim, é rocomendado o aborto para todas as gestantes nessa condição (minha esposa, por exemplo, teve, na gravidez de nossa filha, sem que lhe fosse recomendado nenhum aborto) ou somente para aquelas de fetos "inviáveis"? Depois, morte "em até sete dias"?! E a Marcela, filha da agricultora e heroína Cacilda que fez UM ANO DE VIDA há alguns meses e que ri quando lhe fazem cócegas nos pés? Seriam os abortistas impertérritos uma vez mais forçando a barra? Com a palavra os isentos e "humanistas" jornalistas investigativos.

Comentários encerrados em 27/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.