Consultor Jurídico

Risco de morte

STJ corrige erro de juiz que transferiu preso para cadeia errada

O policial civil Hélio Machado da Conceição, preso preventivamente e denunciado pela prática de formação de quadrilha na Ação Penal que apura a máfia dos caça-níqueis no Rio de Janeiro, deve retornar imediatamente à Divisão Anti-Seqüestro do Rio. A decisão é do ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, presidente do Superior Tribunal de Justiça.

A Reclamação foi ajuizada contra a 4ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, que descumpriu a decisão do ministro Paulo Gallotti, da 6ª Turma, tomada no dia 6 de dezembro de 2007. Depois de examinar pedido de Habeas Corpus do acusado, o ministro concedeu liminar, suspendendo a remoção do policial da Divisão Anti-Seqüestro para o Presídio Federal de Campo Grande (MS).

“A decisão que ordenou a transferência do paciente para a penitenciária em Mato Grosso do Sul não laborou, em relação a ele, qualquer consideração de índole concreta que justifique a adoção da referida medida, atendo-se, na verdade, a relatório policial que dá conta de irregularidades ocorridas relativamente à custódia do co-réu Jorge Fernandes, na Polinter”, afirmou o relator, ao conceder a liminar.

Preso junto com um coronel da PM e o genro do banqueiro do jogo do bicho Castor de Andrade, já morto, o policial seria responsável pela segurança das organizações criminosas que atuam importando e fazendo operar máquinas caça-níqueis no Rio. Ele foi preso na Operação Gladiador, que teria identificado cerca de 200 policiais civis, militares e bombeiros atuando a serviço de bicheiros.

O pedido de liberdade provisória foi negado pela juíza federal Liliane Roriz, relatora dos processos no Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Em seus votos, ela lembrou que a atuação da máfia dos caça-níqueis já resultou em mais de 50 mortes.

Na Reclamação, a defesa alegou que o acusado deveria ter sido transferido, por força da liminar concedida pelo ministro Paulo Gallotti, para a Divisão Anti-Seqüestro, mas que, por engano, foi encaminhado ao Presídio Ary Franco, onde seria concreto o perigo à sua vida.

O ministro Barros Monteiro, concedeu a liminar. “Claro está que, uma vez suspensa a decisão impugnada, o ora reclamante devia ser mantido na Delegacia Anti-Seqüestro, onde se encontrava”, afirmou. “A sua custódia no Presídio Ary Franco, estabelecimento penal comum, acarreta risco não só contra a sua incolumidade física, mas também contra a sua vida”, acrescentou.

O presidente do STJ determinou, ainda, que a decisão fosse comunicada urgentemente ao Juízo Federal da 4ª Vara Federal da Seção Judiciária do Rio de Janeiro.

Rcl 2.708




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de janeiro de 2008, 0h01

Comentários de leitores

2 comentários

Lembro ao Senhor Promotor que o Juiz somente re...

Ricardo T. (Outros)

Lembro ao Senhor Promotor que o Juiz somente responde em caso de dolo e fraude. A mesma regra aplica-se ao representante do Ministério Público. Lembro que muitas vezes O juiz " equivoca-se" com base em pedido realizado pelo Ministério Público. Que tal o Juiz e o Promotor responderem de forma solidária. O que acha senhor promotor?

E a responsabilidade civil e penal do juiz? A...

MMello (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

E a responsabilidade civil e penal do juiz? Ademais, abuso de autoridade ainda é crime e vale também para juízes.

Comentários encerrados em 20/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.