Consultor Jurídico

Notícias

Ação e reação

Promotor mata motoqueiro durante assalto em São Paulo

O promotor de Justiça de São Paulo Pedro Baracat Guimarães Pereira, de 42 anos, matou um motoqueiro a tiros durante assalto no Ibirapuera, zona Sul de São Paulo, por volta das 22h30 deste sábado (5/1).

Pedro Baracat contou à polícia que estava parado no semáforo quando foi abordado pelo motoqueiro, que anunciou o assalto e pediu seu relógio. Segundo ele, para se defender, atirou e abandonou o local com medo de ser atingido. Em seguida, entrou em contato com a polícia e se apresentou ao Deic durante a madrugada. Duas testemunhas que moram na região confirmaram a versão do promotor, informou a Secretaria de Segurança Pública. As informações são da Agência Estado.

O motoqueiro foi identificado como Firmino Barbosa. Com ele, foram encontrados cinco relógios e alguns documentos. A pistola do promotor, a motocicleta e os relógios foram apreendidos.

A polícia ainda está tentando levantar mais informações sobre a ficha criminal do motoqueiro e a ocorrência já foi encaminhada ao procurador geral de Justiça de São Paulo, Rodrigo Pinho.

Outros casos

No dia 30 de dezembro de 2004, o também promotor Thales Ferri Schoedl matou a tiros o jogador de basquete Diego Mendes Modanez,no litoral paulista. Os tiros também atingiram Felipe Siqueira Cunha de Souza, que sobreviveu.

O promotor afirmou que Diego, Felipe e outros rapazes tinham mexido com sua namorada, Mariana Ozores Bartoletti. Sentindo-se acuado, sacou uma pistola e disparou. Os advogados alegam que Schoedl agiu em legítima defesa. Por unanimidade, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) decidiu pelo afastamento de Thales do cargo.

Já o promotor Igor Ferreira da Silva foi condenado a 16 anos e quatro meses de prisão pela morte de sua mulher, Patrícia Aggio Longo, grávida de sete meses, em 1998, em Atibaia, no interior de São Paulo. O caso acabou ganhando notoriedade nacional. Há anos, Igor Ferreira da Silva está foragido.

No dia 7 de outubro do ano passado, o promotor Paulo Wagner Grossi, de 42 anos, atropelou e matou três pessoas de uma mesma família em Araçatuba, interior paulista. Ele atropelou os três com sua picape, no sentido contrário de uma rodovia. A Polícia encontrou uma lata de cerveja dentro do veículo.

[Notícia atualizada em 7 de janeiro, para acréscimo de informações].

Revista Consultor Jurídico, 6 de janeiro de 2008, 16h54

Comentários de leitores

124 comentários

A imprensa gosta de florear a verdade dos fatos...

Hamilton de Paula Bernardo (Advogado Autônomo - Criminal)

A imprensa gosta de florear a verdade dos fatos. A maneira como a notícia foi informada imputando deslize do Promotor e não do assaltante. Além, de não conhecer a integridade e a moral do Homem e Promotor Doutor Pedro, desenham-no como uma anomalia. Mas, os leitores, principalmente aqueles da capital paulista, sabem não ser ele um criminoso, mas sim um grande e fraternal PROMOTOR. É ridículo compará-lo a outros “promotores” criminosos. Somente quem já passou pela cena, pode imaginar a amargura vivenciada. Portanto, não assiste razão alguma para a impressa incluir o fato envolvendo Doutor Pedro Baracat, defendente de um roubo, com crimes aterrorizantes praticados por outros “promotores”. A verdade é certa, o apedrejamento efetivado pela mídia, não abalará a moral e o brilho do Promotor, pois, o povo e a Corte Paulista sabem quem é o Doutor Pedro. Nossa solidariedade e nosso fraternal abraço ao grande Promotor Doutor Pedro Baracat Guimarães Pereira, que nunca deixou de lutar pela Justiça e pelo povo oprimido.

A imprensa gosta de florear a verdade dos fatos...

Hamilton de Paula Bernardo (Advogado Autônomo - Criminal)

A imprensa gosta de florear a verdade dos fatos. A maneira como a notícia foi informada imputada deslize do Promotor e não do assaltante. Além, de não conhecer a integridade e a moral do Homem e Promotor Doutor Pedro, desenham-no como uma anomalia. Mas, os leitores, principalmente aqueles da capital paulista, sabem não ser ele um criminoso, mas sim um grande e fraternal PROMOTOR. É ridículo compará-lo a outros “promotores” criminosos. Somente quem já passou pela cena, pode imaginar a amargura vivenciada pelo Doutor Pedro Baracat Guimarães Pereira. Portanto, não assiste razão nenhuma para a impressa incluir o fato envolvendo o Doutor Pedro Baracat, que se defendeu a um roubo, com crimes aterrorizantes praticados por outros “promotores”. A verdade é certa, o apedrejamento efetivado pela mídia, não abalará a moral e o brilho do Promotor, pois o povo e a Corte Paulista sabem é Doutor Pedro. Nossa solidariedade e nosso fraternal ao grande Promotor Doutor Pedro Baracat Guimarães Pereira, que nunca deixo de lutar pela Justiça, pelos pobres e oprimidos.

Postei, em 07 http://conjur.estadao.com.br/stat...

Sandra Paulino (Advogado Autônomo)

Postei, em 07 http://conjur.estadao.com.br/static/comment/62766,3 e 08 de janeiro http://conjur.estadao.com.br/static/comment/62766,8 dois comentários onde manifestei estranheza quanto ao promotor reagir ao que contou ter sido assalto no Ibirapuera registrado no DEIC, em Santana, sem acionar o 190 e abandonar a região da ocorrência que, salvo engano, é do 36DP. De um leigo não se cobraria a obrigatoriedade dessas condutas, mas isso não se aplica ao promotor. Estranhei a omissão de socorro ao motoqueiro e afirmei que o estudante e engenheiro entrevistados pela imprensa demonstravam estar mentindo. Hoje, estranho que a CONJUR não tenha noticiado o que toda a imprensa trouxe a público há dois dias: a versão sobre o encontro dos relógios supostamente furtados foi mudada pelo procurador geral. É evidente que há algo podre nessa história, desde o começo, valendo lembrar que COMENTARISTA disse a mim, em um dos tópicos que tudo que começa mal termina pior. Verdade. Estranhíssimo é o silêncio da Conjur, diferente de outras fontes a respeito do caso.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 14/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.