Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação Downtown

Polícia Federal deflagra operação para prender doleiros

Por 

A Polícia Federal deflagrou, na manha desta terça-feira (26/8), a Operação Downtown. O objetivo é desarticular doleiros que atuava na região central de São Paulo. Até o final do dia devem ser cumpridos 15 mandados de prisão e 50 mandados de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catarina.

De acordo com a PF, “as investigações revelaram que os envolvidos operavam com moedas estrangeiras, principalmente dólar e euro, no mercado paralelo, sem submeter seus resultados à tributação e controle do Banco Central”. Os principais crimes que teriam sido cometidos são: evasão de divisas, operação de instituições financeiras sem a competente autorização, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e sonegação fiscal. As penas somadas podem chegar a 28 anos de prisão.

Muitos dos doleiros investigados a partir desta terça-feira mantêm antigas conexões com outros doleiros presos na operação Farol da Colina, deflagrada pela PF também numa manha de terça-feira, no dia 17 de agosto de 2004. Foram mais de 750 policiais distribuídos em sete estados brasileiros, a maioria em São Paulo e Rio de Janeiro. Só em São Paulo, foram alocados num hotel no centro da cidade cerca de 230 agentes federais oriundos de Brasília.

A Operação Farol da Colina visava buscar computadores e documentos dos investigados por lavagem de dinheiro sujo. A conta Beacon Hill Service Corporation foi descoberta pelo promotor distrital (district attorney) de Manhattan, Robert Morgenthal. Seria intermediária na abertura de outras contas em paraísos fiscais e em esquemas de lavagem de dinheiro. Segundo o MP americano, entre 2001 e 2002, a Beacon Hill movimentou remessas num total de US$ 3,2 bilhões, em apenas 40 subcontas que tiveram quebra de sigilo pelas autoridades americanas.

A Farol da Colina gerou denúncias, do MPF, contra doleiros e funcionários de offshores: Antonio Oliveira Claramunt (Toninho da Barcelona), José Diogo de Oliveira Campos, Altair Inácio de Lima (o Carioca), Salvador Angelo de Oliveira Claramunt, Alaíde de Oliveira Campos Claramunt, Enrique Claramunt Riba e Patrícia Ferreira Sommerfeld, acusados de serem os responsáveis pela movimentação das sub-contas Miro e Lisco, da conta Beacon Hill, no J.P.Morgan Chase Bank (Nova York).

Também foram denunciados os empresários Samuel Semtob Sequerra e Jan Sidney Murachovsky, por movimentarem as sub-contas Laurel e Sinkel, e o delegado de Polícia Federal Carlos Fernando Braga, em razão de seus contatos com Toninho da Barcelona, a quem teria alertado sobre a operação Farol da Colina.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 26 de agosto de 2008, 14h33

Comentários de leitores

3 comentários

Parabens Dr.Jose: Fiquei impressionado com seu...

Phodencius (Investigador)

Parabens Dr.Jose: Fiquei impressionado com seu comentario.Simplesmente magnifico.O senhor expos o que eu sempre desejei dizer mas não tive capacidade em me expressar.Parabens.

E OS "CLIENTES", FICARÃO DE FORA COMO NA OUTRA ...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

E OS "CLIENTES", FICARÃO DE FORA COMO NA OUTRA OPERAÇÃO? HAVERÁ PROPOSTA DE DELAÇÃO PREMIADA, DE VERDADE (sem bruxaria)?

A pena é maior que a de homicídio qualificado...

José R (Advogado Autônomo)

A pena é maior que a de homicídio qualificado! Qual a razão? Não porque comercializar moeda estrangeira seja mais grave que matar alguém de emboscada(12 anos), por exemplo. Mas sim porque o País do Sr. Robert Morgenthau (ou Morgenthal), os Estados Unidos, exportou para o Mundo a idéia de que é preciso controlar fluxos financeiros de qualquer natureza, já que podem eles terminar nas mãos de seus inimigos, no caso árabes radicais, e tudo redundar em um novo 11 de setembro (que ninguém quer). O problema é grande e deles, não nosso.Os brasileiros não têm inimigos. Mas como somos uma espécie de quintal, obedece-se... Assim, incute-se, os cassinos são algo temível, hediondo e perigosissímo, eis que permitem circular dinheiro sem controle... Câmbio não oficial é crime de lesa Majestade, pelo mesmo motivo... Não pagar impostos, então, merece quase prisão perpétua E assim por diante. Nada contra essa nova moralidade vitoriana que vem do norte, para prevenir problemas que são do norte e não nossos... Mas fica uma pergunta intrigante: não é Las Vegas, nos mesmos Estados Unidos, a Capital Mundial do jogo, da licenciosidade, da prostituição de luxo, da liberdade cambial absoluta e, sobretudo, da alíquota de impostos 0%(zero)? Somos nós aqui da Colonia, acaso, débeis mentais condenados a obedecer às diretrizes dos senhores da Metrópole, inclusive na nossa legislação? E ainda há gente aqui que acha isso o máximo e se alista nas fileiras dos filhos de Tio Sam para o massacre dos direitos individuais em nome da guerra de combate ao... Querem até o Patriotic Act. Nunca se deram conta os vassalos de Las Vegas, Atlantic City etc.?

Comentários encerrados em 03/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.