Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Viagem marcada

Governo brasileiro autoriza extradição de Abadia para os EUA

O ministro da Justiça, Tarso Genro, confirmou nesta quarta-feira (20/8) que o governo brasileiro autorizou a extradição do traficante colombiano Juan Carlos Ramirez Abadia para os Estados Unidos. A informação é da Rádio CBN.

A extradição havia sido autorizada pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal em 13 de março. Abadia tem contra si mandado de prisão emitido pelo estado de Nova York. Nos Estados Unidos, Abadia é acusado de homicídio, conspiração para tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro. O colombiano é considerado um dos maiores traficantes de drogas do mundo.

Abadia está preso desde agosto de 2007 no Presídio Federal de Campo Grande (MS). A prisão ocorreu durante a Operação Farrapos, da Polícia Federal. Juan Carlos Abadia foi detido em uma de suas propriedades, no condomínio fechado Aldeia da Serra, que fica na Grande São Paulo. Abadia é suspeito de ser o mandante de centenas de homicídios na Colômbia e nos Estados Unidos. Entre as vítimas estão policiais e informantes.

Revista Consultor Jurídico, 20 de agosto de 2008, 14h24

Comentários de leitores

3 comentários

Viu só?depois dizem que a balança ...

hammer eduardo (Consultor)

Viu só?depois dizem que a balança comercial Brasileira anda desequilibrada , discordo baseado no assunto aqui abordado........estamos finalmente iniciando o processo de exportação de vagabundos para os Estados Unidos onde certamente terão o devido tratamento de um sistemal legal realmente serio , diferente do que ocorre por aqui. Apenas acho que o leque de "exportaveis" poderia ser bem maior ja que os simpaticos americanos aparentemente ja começam a aceitar "doações". Para Guantanamo Bay poderiamos mandar praticamente todo o congresso e o senado junto com as ratazanas petralhas que pululam ao redor daquele tadinho 9 dedos que nunca sabe de absolutamente coisa nenhuma , essa desinformação contumaz em qualquer Pais que assim possa ser realmente chamado , ja o desabilitaria para o exercicio do cargo, aqui não , é "bonitinho" tanto que as pesquisas de opinião botam o nescio numero 1 la em cima em termos de popularidade.Brincadeiras a parte , comparando-se esse tal de abadia com a RATAZANA carioca do alvaro lins e o resto da quadrilha , acho que no Brasil o abadia seria "chefe de escoteiros". Lembremos a maxima de um ja falecido meliante Carioca ( Lucio Flavio Villar) que dizia "- bandido é bandido , policia é policia..". Nos tempos atuais o finado meliante poderia de cara ser encarado como um grande desinformado pois os tempos mudaram e muito tendo literalmente desaparecido a tal "linha imaginaria" que separaria em tese as duas instituições, é lamentavel porem verdadeiro.Para Nós , a extradição do abadia é lucro pois se aqui ficasse , terminava saindo atraves de uma medida cautelar de algum ministro libertario e sorridente e se bobear , terminaria se candidatando a algum cargo eletivo com grandes chances de se eleger.........

Ué ele não pagou para ser extraditado?!!

J.Henrique (Funcionário público)

Ué ele não pagou para ser extraditado?!!

Sempre notícias pela metade. É de trincar ... ...

Silvio Curitiba (Advogado Associado a Escritório)

Sempre notícias pela metade. É de trincar ... A regra é que cabe ao presidente da República a decisão sobre a imediata extradição ou a determinação de que, antes, ele cumpra a pena brasileira. Se o presidente se omitir, a extradição ocorrerá somente após o cumprimento da pena no Brasil. Conforme o site do MJ: O artigo 89 da Lei 6.815/80 prevê que “quando o extraditando estiver sendo processado, ou tiver sido condenado, no Brasil, por crime punível com pena privativa de liberdade, a extradição será executada somente depois da conclusão do processo ou do cumprimento da pena”, exceto quando sua entrega imediata for conveniente ao interesse nacional. Então, o que disse o Presidente? Justificou?

Comentários encerrados em 28/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.