Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Esperança política

Álvaro Lins se entrega à Polícia e espera reaver o mandato

O ex-deputado Álvaro Lins, que teve o mandato cassado pela Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, se entregou à Polícia na noite de terça-feira (19/8). O advogado de Lins confirmou que entrou com uma ação no Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro para anular a cassação do mandato parlamentar de seu cliente. A informação é do portal G1.

Álvaro Lins teve a prisão decretada pela Justiça Federal, na semana passada, e estava foragido. Ele responde pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, facilitação de contrabando e formação de quadrilha armada. Também é acusado de envolvimento com a máfia dos caça-níqueis.

O advogado de Álvaro Lins, Ubiratan Guedes, esclareceu que, desde a decretação da prisão pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região, seu cliente ficou internado tratando uma crise de depressão e não fugiu.

Por conta da Súmula Vinculante 11 do Supremo Tribunal Federal, o ex-chefe de Polícia do Rio não foi algemado ao se entregar à Polícia. Depois de passar pela Polinter, Álvaro Lins fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal e foi transferido ao presídio de segurança máxima Bangu 8. Na mesma unidade prisional, está cumprindo pena o ex-banqueiro Salvatore Cacciola.

Pelo mandato

O Mandado de Segurança enviado ao Órgão Especial do TJ-RJ contesta a decisão do presidente da Assembléia Legislativa do estado do Rio de Janeiro, deputado Jorge Picciani, que definiu pela cassação do mandato parlamentar do colega.

Conforme a defesa de Álvaro Lins, um dos deputados que votou pela cassação participou da votação de forma irregular, já que teria mudado de partido. O processo foi distribuído ao desembargador Paulo Leite Ventura, do Órgão Especial do TJ-RJ, que deve dar uma resposta ainda nesta quarta-feira (20/8).

Os advogados de Lins também disseram não descartar a possibilidade do deputado cassado pedir asilo político. A defesa de Álvaro Lins reforçou que ele nega todas as acusações.

Revista Consultor Jurídico, 20 de agosto de 2008, 12h52

Comentários de leitores

1 comentário

O assunto em questão ja começa a ficar ...

hammer eduardo (Consultor)

O assunto em questão ja começa a ficar enfadonho mesmo porque a grande maioria ja "adivinhou" o gran finale , devido a um desses recursos facilmente arranjaveis na nossa legislação Finlandesa, em alguns dias este VAGABUNDO repugnante estará solto de volta nas ruas para ameaçar os que "ousaram" votar a favor de sua cassação. O caso deste VERME é emblematico pois alcança um grau de repugnancia poucas vezes visto levando-se em conta que dentro de uma Sociedade "minimamente organizada" , este PUSTULA atingiu um dos mais altos cargos de confiança que foi o de Chefe de Policia , deu no que deu. Associado aos demais quadrilheiros oficiais( a "famiglia" garotinho) , foi montado um inacreditavel esquema de corrupção e coleta de dinheiro ilicito para atividades idem. Tambem não acho justo demonizarem somente o alvaro lins , tinham que levar pra cadeia junto aquele casal de picaretas evangelicos omiziados em Campos no Rio de Janeiro. No "mundo real" sabemos que absolutamente NADA disso vai acontecer , apagados os holofotes a procura do proximo escandalo ( material nunca falta!) , começarão os acordos ainda mais imundos para que essas RATAZANAS continuem a solta , nunca foi diferente e certamente não sera agora , vide o "cardeal" maximo deles que é aquela RATAZANA paulista de oculos grossos que nunca fez nada , um tadinho! O pior é que no caso do "paulista" , é proibido tambem citar o nome dele aqui no site, os admiradores são muitos......Que nojo!

Comentários encerrados em 28/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.