Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Aparelho desmontado

Advogado de líderes do PCC é preso com celulares em presídio

O advogado Jeronymo Ruiz Andrade do Amaral, que acompanha os processos dos principais líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), foi preso nesta quarta-feira (2/4) ao tentar entrar com componentes desmontados de celular na unidade prisional de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo. A informação é do portal Terra.

Segundo a polícia, Amaral se apresentou na portaria da penitenciária Maurício Henriques Guimarães Pereira, onde estão detidos os principais membros do PCC. O advogado solicitou uma visita a Abel Pacheco de Andrade, conhecido como Vida Loka, apontado como um dos generais do PCC, e outros dois presos da facção.

A polícia informou que, ao passar pelo detector de metais, o aparelho acusou os componentes. Os policiais encontraram duas placas de circuito, dois visores de cristal líquido e duas baterias. Com o material é possível fazer dois celulares.

Os agentes denunciaram o ocorrido e o advogado foi encaminhado para o setor administrativo da Coordenadoria Regional dos Presídios, setor Oeste (Croespe) e levado ao 2º Distrito Policial. “O advogado está sendo autuado em flagrante, acusado por crime de associação para o tráfico e formação de quadrilha ou bando. Trata-se de crime inafiançável”, disse o delegado Geraldo José Yassuemom Takushi.

Revista Consultor Jurídico, 2 de abril de 2008, 19h03

Comentários de leitores

7 comentários

Devagar com o andor. Será que o colega advogado...

JB. (Procurador do Município)

Devagar com o andor. Será que o colega advogado realmente tentou entrar com esse material na penitenciária? Tenho dificuldade em acreditar que um advogado militante na área penal, certamente experiente, fosse cometer um erro tão primário. Devagar com o andor.

Esse colega deve ser submetido a um amplo e rig...

Marco Antonio Gomes (Advogado Associado a Escritório)

Esse colega deve ser submetido a um amplo e rigoroso processo pelo Conselho de Ética da OAB, devendo ao final ser suspenso ou sofrer outra represália adminsitrativa qualquer, com decisão amplamente publicada, para exemplo daqueles que insistem em militar de forma equivocada e contra legis. Na esfera penal, acredito que, sabedor da existência de um detector de metais no presídio a impedir a entrada de peças metálicas, sua conduta pode ser considerada como criminalmente ineficaz e defensável a título de "tentativa de crime impossível", a teor do art. 17 do CPB.

Concordo com as observações e comentários do Sr...

Murassawa (Advogado Autônomo)

Concordo com as observações e comentários do Sr. João, Sr. Zito e Embira e vou + além se o "doutor" tivesse subornado algém lá dentro, com certeza esses aparelhos já estavam em uso, pode ter certeza.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/04/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.