Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Rolo telefônico

Investigação confirma que Telecom Itália subornou brasileiros

Procuradores italianos que investigam uma rede de espionagem e de corrupção armada pela Telecom Itália a partir do ano 2000 têm em mãos provas de que lobistas e funcionários públicos brasileiros faziam parte do esquema. É o que diz reportagem do jornal La Repúbblica, de Milão, assinada pelos repórteres Piero Colaprico e Emilio Randacio, em sua edição desta quinta-feira (8/3).

Segundo o jornal, as descobertas dos procuradores fazem lembrar dos tempos da “Tangentopoli”, o grande escândalo de corrupção que detonou a velha estrutura partidária italiana nos anos 1990. “Só que desta vez as propinas não foram pagas a italianos, mas a brasileiros”. Os pagamentos, de acordo com a reportagem, somaram 980 mil euros. Entre os nomes citados pelo jornal estão os do ex-chefe agência de inteligência do governo federal, Mauro Marcelo, do advogado Marcelo Elias de Toledo e do empresário Luís Demarco.

Os procuradores italianos receberam, há 15 dias, um relatório das autoridades suíças com a movimentação suspeita de contas controladas por Marco Bernardini, ex-agente secreto italiano que prestou serviços como investigador particular à Telecom Italia e que atualmente colabora com as investigações. Segundo a reportagem, o documento suíço contém nome e sobrenome de emitentes de ordens de pagamento, contas bancária de trânsito do dinheiro e destinatário final. “O documento registra uma movimentação bancária definida como interessante e deve acelerar as investigações sobre as supostas propinas pagas pelo grupo telefônico italiano a funcionários públicos brasileiros”, diz o jornal.

O jornal afirma que os pagamentos teriam sido feitos através da Brasil Telecom à Busines Security Agency, companhia de investigação privada com sede em Londres, ligada a Bernardini. “Singulares os destinatários das contrapartidas: lobistas em telefonia e pessoas próximas de políticos brasileiros, altos funcionários públicos, mas também simples policiais”, diz a reportagem.

A reportagem cita o nome do ex-chefe da Abin, Mauro Marcelo, de quem diz apenas que “em maio de 2004 foi chamado pela TIM para dar uma conferência sobre crimes informáticos”.

Cita também o advogado Marcelo Elias de Toledo, que “em 13 de julho de 2005 transferiu da conta de Bernardini na Suíça para sua conta pessoal em Miami US$ 50 mil sem justificação oficial”. Segundo a reportagem, Toledo seria apenas um intermediário para se chegar a “Luís Demarco, pessoa muito influente no Brasil e muito amigo dos gestores dos fundos de pensão que eram sócios da Brasil Telecom”.

Segundo a reportagem “não se exclui que a Telecom Italia tenha procurado aliados na batalha que travava pelo controle da Brasil Telecom com seus sócios brasileiros (Daniel Dantas, do banco Opportunity e Carla Cico, então presidente da Brasil Telecom)”.


Revista Consultor Jurídico, 9 de março de 2007, 13h07

Comentários de leitores

4 comentários

Leiam também, sobre o tema, http://www.cartaca...

Maria (Funcionário público)

Leiam também, sobre o tema, http://www.cartacapital.com.br/app/materia.jsp?a=2&a2=8&i=592

Novos e emocionantes capítulos dessa novela, co...

peppersjk (Bancário)

Novos e emocionantes capítulos dessa novela, como sugere um dos comentários, estão na série de até agora 13 reportagens que Luis Nassif faz em seu blog sobre o jornalismo da Veja, em especial as três últimas: O falso dossiê, O bookmark de Mainardi e Lula, meu álibi. Vale a pena confrontar os fatos e tirar suas próprias conclusões.

Só tem "gente fina" no tal "pedaço", a confirma...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Só tem "gente fina" no tal "pedaço", a confirmar que quanto mais uma pessoa critica e censura os outros, pior ele é.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/03/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.