Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Atentado ao pudor

Negado HC a médico acusado de prostituição infantil

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, negou Habeas Corpus a médico preso preventivamente sob acusação de atentado violento ao pudor e prostituição infantil.

Para a ministra, os crimes contra os costumes, que atentam contra liberdade sexual e envolvem menores, ganham repercussão. Por considerar o médico uma ameaça à sociedade, a ministra considerou inviável o pedido Habeas Corpus e manteve a prisão preventiva.

Segundo a relatora, o médico tentou intervir no processo, já que ele atendia e dirigia a Fundação Hospitalar do município de São Simão (GO). Esse também foi o motivo pelo qual as vítimas procuraram o Ministério Público, acusando o médico de praticar atos libidinosos com menores no hospital e em sua residência, além de oferecer dinheiro para atrair adolescentes.

HC-90710

Revista Consultor Jurídico, 7 de março de 2007, 0h02

Comentários de leitores

1 comentário

Qual o nome do médico acusado?

lu (Estudante de Direito)

Qual o nome do médico acusado?

Comentários encerrados em 15/03/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.