Consultor Jurídico

Rede internacional

Processo de condenado por pedofilia no Chile vai para o STF

A juíza Ana Cristina Kramer, da Vara Federal Criminal de Florianópolis, determinou, nesta terça-feira (26/6), o envio do processo contra o chileno Rafael Humberto Maureira Trujillo ao Supremo Tribunal Federal. Ele foi condenado no Chile por pedofilia e é procurado pela Interpol (Polícia Internacional contra o Crime Organizado).

O pedido para que o caso vá ao Supremo foi feito pelo Ministério Público Federal, que solicita uma definição do STF para saber se o caso é de deportação ou extradição. Como afirma o artigo 63 do Estatuto do Estrangeiro: “Não se procederá à deportação se implicar em extradição inadmitida pela lei brasileira”.

A juíza Ana Cristina também ordenou que o chileno, com prisão administrativa decretada por 60 dias, seja transferido para um dos dois presídios federais: Campo Grande (MS) ou Catanduvas (PR). Segundo a polícia, a medida é necessária para a segurança do chileno.

Trujillo foi condenado a 20 anos de prisão no Chile por montar uma rede de pedofilia na internet. No dia 20 deste mês, ele foi preso pela Polícia Federal em Criciúma (SC).

Segundo a PF, Trujillo, conhecido como Zakarach, foi condenado por abuso sexual contra pelo menos nove menores. Ele é acusado de ser o líder da rede Paidos, que distribuía material de pedofilia pela internet.

O chileno cumpriu três anos e 11 meses de pena. Em abril do ano passado, deixou a cadeia beneficiado por decisão da Justiça e passou a morar no abrigo Monsenhor Carlos Oviedo, em Santiago.

Em 17 de março, Trujillo abandonou o abrigo e fugiu do país. O condenado foi à Santa Cruz, na Bolívia, e de lá seguiu para o Brasil. Ele era procurado pela Interpol em todo o mundo.

O subsecretário do Interior do Chile, Felipe Harboe, pediu às autoridades do Brasil que expulsassem o fugitivo do território brasileiro. Harboe informou que o governo entrou em contato com o embaixador do Brasil no Chile, Mario Vilalba, que estava presente na audiência desta terça-feira (26/6).

Processo: 2007.72.00.007654-6

Despacho/Decisão

Trata-se de Representação formulada pela Autoridade Policial Federal, na qual requereu a decretação da prisão administrativa em desfavor do estrangeiro RAFAEL HUMBERTO MAUREIRA TRUJILLO, de nacionalidade chilena.

O pedido contra o representado advém de sua situação fática de irregularidade em solo brasileiro, de foragido da justiça chilena, e, ainda, de procurado pela INTERPOL.

Deferido o pleito pelo Magistrado plantonista, com prisão administrativa decretada pelo prazo de sessenta dias para fins de deportação (fls. 21/23), foram os autos encaminhados ao Ministério Público Federal.

Em sua promoção da fl. 25 manifesta-se aquele Órgão, em síntese, pela remessa dos autos ao E. Supremo Tribunal Federal, uma vez que entende que o caso se subsume à hipótese de extradição, nos termos da Lei nº 6.815/80.

É o relatório. Decido.

Em que pese a atual situação do estrangeiro estar caracterizada, efetivamente, pela clandestinidade no tocante à sua estada em território brasileiro - fato que ensejaria, sob uma primeira análise, a aplicabilidade da deportação - , a manifestação do Ministério Público Federal pela necessidade de extradição é plausível.

O estrangeiro restou condenado criminalmente pela Justiça Chilena, segundo seu próprio depoimento, por crime de abuso sexual a menores. Constata-se do depoimento das fls. 06/07, fornecido por um investigador da polícia civil do Estado Chileno, que o representado vinha sendo procurado pela INTERPOL, tendo em vista o clamor público causado pela prática dos crimes pelos quais foi condenado naquele país.

Com efeito, o fato de existir condenação criminal em outro país leva à conseqüência de que o deportado irá ser entregue à autoridade daquele País para cumprimento de sua pena. Neste caso, e a fim de que não se efetue extradição vedada por lei (artigo 63 do Estatuto do Estrangeiro: " art. 63 - Não se procederá à deportação se implicar em extradição inadmitida pela lei brasileira") por cautela, entendo razoável noticiar ao Supremo Tribunal Federal o presente processo, mediante ofício, a fim de que se manifeste sobre a medida cabível (extradição ou deportação), informando-o, ainda, que nesta data esteve reunido com esta Magistrada e com o Procurador da República, Marco Aurélio Dutra Aydos, o Sr. Embaixador do Chile no Brasil, para tratar do assunto relativo ao preso.

Cumpra-se, instruindo o ofício à Presidência do Supremo Tribunal Federal com cópia integral do processo, bem como desta decisão.

Intime-se o Ministério Público Federal.

Comunique-se a Autoridade Policial.

Florianópolis, 26 de junho de 2007.

Ana Cristina Krämer

Juíza Federal Substituta na Titularidade Plena

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de junho de 2007, 21h33

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.