Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Notícias da Justiça

Veja o noticiário jurídico dos jornais deste domingo

Um conjunto de 20 documentos e 11 fitas cassete apreendidos pela Polícia Federal na residência do juiz do Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região José Eduardo Carreira Alvim sugere que o vice-presidente do órgão, Fernando Marques, teria ficado com parte do salário pago a um funcionário de seu gabinete. Trata-se de Eledilson Proença Botelho, servidor originário da Câmara Municipal de Niterói, chefe-de-gabinete de Marques entre 19 de maio de 1999 e 6 de agosto de 2000. Botelho saiu do TRF um dia após deixar a chefia de gabinete do atual vice-presidente do tribunal, segundo dados do órgão.

Conforme os relatórios de análise da PF , um dos documentos é uma "carta de Eledilson Proença Botelho, destinada ao [então] presidente do TRF 2ª Região Alberto Nogueira, denunciando o pagamento de parte de sua gratificação de chefia à filha do desembargador Fernando Marques -Fernanda Marques". Na ocasião, o salário de chefe-de-gabinete era R$ 5.186,45. A reportagem é da Folha de S. Paulo.

Homem do PT

Preso na Operação Xeque-Mate, da Polícia Federal, o empresário de jogos Nilton Cézar Servo apresenta Dario Morelli Filho, em uma conversa gravada em maio pela Polícia Federal, como o "homem forte" do PT que estava na campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à reeleição e de Aloizio Mercadante ao governo de São Paulo, segundo reportagem publicada neste domingo pela Folha de S. Paulo. Compadre de Lula e pivô da nova crise que ronda o Planalto, Morelli também foi preso pela operação. Antes de ser detido, ele era assessor técnico da Saned (Companhia de Saneamento de Diadema), com salário de R$ 4 mil.

Dinheiro de lobista

A jornalista Mônica Veloso, mãe de uma filha do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou à revista Veja que sempre recebeu os pagamentos da pensão, de ao menos R$ 8.000, em dinheiro vivo, das mãos do lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior. "Dinheiro era sempre com o Cláudio", disse. Mônica contesta a versão do lobista, de que o dinheiro era depositado em sua conta. Ela reafirma que sempre recebia em dinheiro vivo, a maior parte das vezes no escritório da Mendes Júnior, na sala de Gontijo.

Alerta antecipada

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo informa que Dario Morelli Filho, o amigo e compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva preso na Operação Xeque-Mate, na semana passada, pode ter sido informado antecipadamente por alguém de Brasília sobre o monitoramento dos envolvidos na máfia dos caça-níqueis feito pela Polícia Federal. Os grampos citados no inquérito revelam que Morelli alertou o suposto chefe da quadrilha, o ex-deputado estadual paranaense Nilton Cézar Servo, para que ele tomasse cuidado com os telefones e acrescentou que havia ocorrido “um pepino feio”.

Futura CPI

A descoberta de gravações ligando Genival Inácio da Silva, irmão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao esquema irregular de jogos de azar investigado pela Operação Xeque-Mate, pode acelerar a abertura de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar jogos ilegais no país. Autor do pedido de instalação dessa CPI, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) disse que a ligação de Vavá com donos de casas de caça-níquel, apontada por gravações feitas pela Polícia Federal, reforça a necessidade de levar a investigação adiante. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

Planalto em silêncio

O Estado de S. Paulo informa, ainda, que o Palácio do Planalto informou no sábado (9/6) que não faria nenhum pronunciamento oficial a respeito do suposto envolvimento de um dos irmãos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva Lula — Genivaldo Inácio da Silva, o Vavá — com a chamada máfia dos caça-níqueis.


Revista Consultor Jurídico, 10 de junho de 2007, 12h17

Comentários de leitores

1 comentário

SURUBAS PALACIANAS: **************************...

Luiz P. Carlos (((ô''ô))) (Comerciante)

SURUBAS PALACIANAS: ********************************************************************** O Presidente do Senado Renan Calheiros, que segundo sua concubina Mônica Veloso, enfiou-lhe a vara em seu gabinete palaciano. Posteriormente o assistente de fornicação Dr. Cláudio Gontijo fica responsável em manter as aparências e a discrição que o cargo indulto requer. O Senador Tuma Lá da Cá juntamente com a Cafeteira e o Machado de Siba, resolvem que isso não fere o decoro do parlamento nem mesmo é antiético usar o gabinete para uma rápida trepadinha. Só não vou aceitar a discriminação, se algum dia naquele sofá maaaravilhoso, os brasões da republica, testemunhem o orgulho Gay de quatro, beijando o solo da pátria amada, relaxadamente com um canudo no nariz e com um Personal Treyner, engatado, massageando o ego de supostos parlamentares stressado. Mesmo porque o orgasmo pode ser liquido ou em pó, só depende da escolha do canudo. Pelo menos é o que se subentende no panfleto da parada Gay liberada constitucionalmente com direito a adoção de crianças, respaldado nas varas da família da infância e do joventudo. Isso é que é uma sociedade Demo-Cratica ...

Comentários encerrados em 18/06/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.