Consultor Jurídico

Gol contra

Supremo nega liminar em Habeas Corpus e mantém Rincón preso

O ex-jogador de futebol colombiano Freddy Eusébio Rincón Valencia (conhecido como Rincón) não conseguiu reverter a prisão preventiva para fins de extradição requerida pelo Panamá e decretada pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal.

A decisão desta quinta-feira (12/7) é da presidente do STF, ministra Ellen Gracie, que negou a liminar em Habeas Corpus impetrado pelo advogado do ex-jogador, Eduardo Nunes de Souza. Rincón é acusado no Panamá por crimes de branqueo de capitais, que significam delitos contra a economia nacional e associação com o tráfico de drogas.

O advogado alega que a prisão seria ilegal porque não há Mandado de Prisão no Panamá. Existiram outras possíveis irregularidades no processo de extradição. O ministro Gilmar Mendes é o relator do pedido de Habeas Corpus.

Ellen Gracie afirmou que não há os requisitos necessários para a concessão da liminar. Ela afirmou que os argumentos “são os mesmo perfilhados no pedido de revogação da prisão preventiva, analisado e indeferido pelo ministro Ricardo Lewandowski”.

Na PPE 588, o ministro entendeu que o pedido de extradição se baseou em documento idôneo, no qual “se ordena a prisão preventiva”, conforme prevê o artigo 82, parágrafo 1º, do Estatuto dos Estrangeiros. O dispositivo determina que se impõe para a custódia cautelar a fundamentação “em sentença condenatória, auto de prisão em flagrante, mandado de prisão, ou, ainda, em fuga do indiciado”.

O ex-jogador está preso desde o dia 10 de maio. Rincón, que jogou no Brasil em clubes como Corinthians, Palmeiras e Santos, é acusado no Panamá de ter lavado dinheiro procedente de uma quadrilha especializada em tráfico de drogas, comandada pelo colombiano Pablo Rayo Montaño. O ex-jogador diz que conheceu Montaño na infância e se reencontrou com ele no Brasil. No entanto, nega qualquer acusação de ser ligado à organização criminosa.

Montaño foi preso no Brasil em maio de 2006, em operação contra uma organização de traficantes que atuava em cinco países. Desde então, Rincón está sendo investigado. A Justiça do Panamá e da Colômbia confiscaram os bens do ex-jogador nos dois países, sob alegação de que foram adquiridos com recursos do narcotráfico.

HC 91.657




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de julho de 2007, 21h01

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 20/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.