Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Polícia e Justiça

Justiça não falha por soltar réu, mas por deixar de julgar

Por 

A sociedade brasileira tem apoiado com firmeza a ação de inteligência da Polícia Federal e sua eficiência, juntamente com o Ministério Público, no combate às fraudes de toda natureza. É preciso, por outro lado, reconhecer, também, que o Ministério da Justiça tem cumprido o seu papel, assegurando o direito dos acusados e exigindo nas investigações o estrito cumprimento dos dispositivos constitucionais e da lei. É impossível ignorar que as decisões do Supremo Tribunal Federal são o último "garante" das liberdades e dos direitos individuais instituídos na Constituição de 1988.

Não deixa, portanto, de ser preocupante certa incompreensão e desalento revelados na "crença" popular de que nada adianta o esforço para o combate à fraude, se "a polícia prende e a Justiça solta...". A tendência simplificadora é facilmente aceita quando se aplica à prisão do outro. A "liberação", no entanto, só será sentida como justiça quando o "outro" for você. A esse respeito, deveria ser leitura obrigatória de todo cidadão, para conscientizá-lo do valor das suas próprias garantias, a carta aberta do professor Eros Roberto Grau, ministro do Supremo Tribunal Federal, sob o título "Déspota de si mesmo", publicada na edição da revista "Carta Capital" de 13 de junho deste ano.

É claro que a Justiça brasileira tem as limitações naturais de toda obra humana, mas elas estão longe de se revelar quando exige o cumprimento da lei ou quando impõe o rigoroso respeito aos 77 dispositivos do artigo 5º do título 2 da Constituição Federal, que afirma que todos cidadãos residentes no Brasil são iguais perante a lei (sem distinção de qualquer natureza) no que diz respeito à inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.

As dificuldades com a Justiça são de outra natureza: 1º) a própria qualidade das leis produzidas pelo Executivo e às vezes aperfeiçoadas no Legislativo, mas que permitem interpretações dúbias, principalmente as medidas provisórias. A precariedade e freqüência destas últimas interrompem os trabalhos do Congresso e são, afinal, aprovadas às pressas, apenas para "limpar a pauta"; 2º) e o grande número de instâncias que permitem recursos em benefício do réu. É a famosa "lentidão da Justiça", que é, certamente, injustificável, mas que quem tem alguma experiência sabe que muitas vezes a Justiça é lenta exatamente para fazer "justiça"! Enquanto o primeiro problema é de solução muito difícil, o segundo pode ser resolvido com a continuação de reformas já em andamento e um pouco mais de recursos adequadamente aplicados.

[Artigo publicado na Folha de S. Paulo em 4/7/2007]

 é economista, professor da Universidade de São Paulo, ex-ministro da Fazenda, do Planejamento e da Agricultura e ex-deputado federal.

Revista Consultor Jurídico, 4 de julho de 2007, 12h07

Comentários de leitores

7 comentários

SÓ SE HOUVE FALAR,, - JUSTIÇA FALHA, FALHA, FAL...

não (Advogado Autônomo)

SÓ SE HOUVE FALAR,, - JUSTIÇA FALHA, FALHA, FALHA E FALHA. COMO ESSE COLEGAS PASSARAM NO CONCURSO? CONCURSO TÃO EXIGENTE?

O artigo do Dr. Delfim Neto saiu da pauta. Amig...

Ampueiro Potiguar (Advogado Sócio de Escritório)

O artigo do Dr. Delfim Neto saiu da pauta. Amigos gostariam de lê-lo.

Tem razão o ex-ministro. O povo tem essa senaçã...

Ampueiro Potiguar (Advogado Sócio de Escritório)

Tem razão o ex-ministro. O povo tem essa senação: simplifica quando exige a prisão "do outro". A justiça só será sentida quando o "outro" for você, acrescenta o consagrado ex-ministro.É bom lembrar que o sr. Delfim já tangenciou esse "outro". Em várias ocasiões. Episódio das "polonetas", da Pechiney (na França), entre outros. O argumento é baculino: se o cidadão de bem está sujeito às penas da lei, que a justiça seja lenta. Mesmo que a lentidão seja "de outra natureza". A lentidão beneficiará o "outro". Eu, em busca da justiça, devo suportar o benefício do primeiro.Porque amanhã em poderei ser o outro. Fantástico. O ex-ministro confunde o todo, os cidadãos de bem que pagam seus impostos e vivem corretamente, com a parte celerada da sociedade brasileira que viola a lei sistematicamente em prejuízo daqueles. Incluindo ministros e ex que não teriam qualquer razão para temer a lei.Se, no mínimo. respeitassem os cidadãos de bem.Mas já temeram ou temem ser punidos.Na verdade, comentários como o do sr. Delfim Neto provavelmente perderiam a razão de ser caso houvesse punição exemplar para os poderosos. Reforçaria para os não poderosos a convicção de que a lei existe para ser cumprida.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/07/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.