Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Roberto em detalhes

Juiz nega pedido de apreensão de biografia de Roberto Carlos

A biografia de Roberto Carlos não será retirada das livrarias. A decisão judicial foi divulgada em comunicado distribuído à imprensa pela editora Planeta do Brasil, responsável pela publicação da obra, lançada no final do ano passado. As informações são do Portal do Estadão “Contrariando o parecer do Ministério Público, o juiz Dr. Tércio Pires indeferiu o pedido de busca e apreensão do ensaio biográfico", diz o texto da editora.

Roberto Carlos em Detalhes (Planeta, 504 páginas, R$ 59,90), escrito pelo historiador Paulo Cesar de Araújo, foi publicado sem autorização do cantor. Roberto Carlos disse que leu apenas trechos do livro, o que foi suficiente para que ele condenasse toda a obra.

Ele declarou que se sentiu ofendido e concluiu que houve invasão de privacidade com a divulgação de histórias sobre a sua vida. Roberto Carlos em Detalhes conta a trajetória do cantor, sem omitir fatos dolorosos como a amputação de parte de uma perna, sua relação com a atriz Myriam Rios e a morte de Maria Rita, sua última mulher.

Em entrevista coletiva, Roberto Carlos disse assim: “O livro tem coisas não-verdadeiras, que ofendem a mim e a pessoas queridas, expostas ao ridículo. É um absurdo, uma falta de respeito lançar mão da minha história, que é um patrimônio meu. Me sinto agredido na minha privacidade. Isso me irrita, me incomoda, me entristece”.

Depois de notificar a editora, o advogado do rei, Marco Antônio Campos, entrou com queixa-crime onde pedia o recolhimento dos livros do mercado. O juiz Tércio Pires, da 20ª Vara do Fórum Criminal de São Paulo, negou pedido.

Revista Consultor Jurídico, 8 de fevereiro de 2007, 0h01

Comentários de leitores

5 comentários

Sim, o cantor tem sua vida, pública, mas com ce...

DelNegriRossi (Advogado Autônomo)

Sim, o cantor tem sua vida, pública, mas com certeza, qualquer tentativa de imiscuir-se uma na outra, pesa da mesma forma.E sem o prévio conhecimento do cantor traduz invasão da privacidade. Ofende, sim, constrage, sim. Agora, a personalidade deve ler o livro para saber se confere com a realidade! Isso é irreal! Não se pode tirar proveito disso. Artigos em jornais, revistas e notícias quando inverídicas ensejam perdas e danos!

Concordo plenamente com o cantor Roberto Carlos...

DelNegriRossi (Advogado Autônomo)

Concordo plenamente com o cantor Roberto Carlos. Ninguém tem o direito de expor a vida privada de outrem e em nenhuma hipótese obter lucro direta ou indiretamente com isso. Ora! isso versa sobre sua própria vida! O cantor deveria ter sido consultado antes, até porque "detalhes" só ele mesmo pode "cantar".

Quando foi abordado aqui, nesta revista, pe...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Quando foi abordado aqui, nesta revista, pela primeira vez, o assunto, fiz um comentário o qual, pedindo a licença dos senhores, abaixo reproduzo: " dijalma lacerda (Civil 10/01/2007 - 18:50 Gente, é briga de cachorro grande, mas tenho lá minhas dúvidas se nessa o rei vai levar a melhor. É meio complicado para ele, que é reconhecidamente um homem público mundial, dizer que houve invasão de privacidade. Vai ser uma dificuldade incrível achar no que consistiria essa tal de privacidade. Aliás, ao que ele mesmo teria dito, ele sequer leu o livro para concluir se teria havido sensacionalismo ou não. Há opiniões, sérias, de que o autor teria sido meramente narrativo, abstendo-se de opiniões próprias demeritórias. É aprendizado desde os bancos acadêmicos, que o "animus narrandi" não tipifica sequer injúria ! Tenho certeza de que o Sr. Roberto Carlos Braga está sendo muito bem assistido por competentes advogados, até porque ele é criterioso na escolha das pessoas que para si trabalham , todavia, como diz um velho ditado, cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém. Assim sendo, aqui à distância penso que, s.m.j., deveria se fazer detida análise da real possiblidade de sucesso de uma ação dessas, porque no caso de perda a sucumbência por certo não seria pequena. Enfim, o rei é ele , e deve saber o que faz. AnteriorPáginas 1 2

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/02/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.