Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Democracia adulta

Empresário acusado de explorar prostituição pede asilo político

O empresário Oscar Maroni, preso desde o dia 14 de agosto, pediu asilo político a sete países, segundo informações de seu advogado, Daniel Majzoub. O pedido foi feito para a Suécia, Dinamarca, Holanda, Alemanha, Canadá, Uruguai e Panamá. Majzoub afirma que os países foram escolhidos por terem "uma democracia mais adulta, onde a questão da prostituição é vista de maneira mais atualizada." O advogado do empresário afirma, também, que encaminhou uma carta a um senador republicano dos Estados Unidos para explicar o caso de seu cliente e pedir o asilo político. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

A defesa do empresário, dono da Boate Bahamas e do Oscar's Hotel, diz, ainda, que Maroni não teve chance de se defender das acusações e que se comprometeu a entregar seu passaporte, como garantia que não vai deixar o país. "O asilo político é uma opção", diz Majzoub, argumentando que seu cliente foi absolvido sete vezes da acusação de ter uma casa de prostituição. Para ele, a absolvição mostra que Maroni também não explora a prostituição, não incentiva nem trafica mulheres.

O advogado do empresário afirma que seu cliente recebeu convites de dois partidos políticos para concorrer à prefeitura de São Paulo. "Ele é um potencial candidato, assim como o Kassab (atual prefeito de São Paulo)", afirmou Majzoub. Desde a decisão da prefeitura, de fechar o Bahamas e interditar as obras do Oscar's Hotel, a defesa de Maroni tem acusado o prefeito. "Ele se julga acima do poder", diz o advogado.

"Maroni tem família, quatro filhos e um neto. Ele se dispõe a entregar o passaporte", afirma a defesa, argumentando que o empresário é um "preso político em um regime democrático", já que não teve a chance de prestar depoimento se defendendo das acusações.

Segundo Majzoub, os países sinalizaram de maneira positiva. Porém, para que uma pessoa receba asilo político é necessário aprovação da ONU. "Aguardamos o trâmite burocrático da ONU e já denunciamos o caso para a Human Rights Watch", afirmou o advogado, dizendo que apelou à organização que defende os direitos humanos pelo mundo.

Revista Consultor Jurídico, 29 de agosto de 2007, 12h16

Comentários de leitores

8 comentários

Só relembrando, espero que algum país aceite o ...

Fftr (Funcionário público)

Só relembrando, espero que algum país aceite o ASILO, MENOS UM PARA ENCHER O SAC...!

Perdão, falha imperdoável. Sou culpado! Voltare...

Fftr (Funcionário público)

Perdão, falha imperdoável. Sou culpado! Voltarei aos bancos escolares para me penitenciar de tão grave falha, mesmo porque se dependesse da justiça brasileira poderia ficar embromando por uns vinte ou trinta anos! Não há desculpas, pois o título trás a grafia correta. Obrigado Sr. Daniel pelo aviso. Abraços! Fernando

Prezado Sr. Fernando, Asilo se escreve com "s".

Daniel Majzoub (Advogado Associado a Escritório)

Prezado Sr. Fernando, Asilo se escreve com "s".

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.