Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Máfia dos sanguessugas

Sanguessugas: MPF denuncia mais cinco ex-deputados federais

O Ministério Público Federal em Mato Grosso denunciou mais cinco ex-deputados federais e dois ex-assessores parlamentares por associação à máfia dos sanguessugas. Eles são acusados de se associar com a organização investigada por se apropriar de recursos de emendas parlamentares direcionadas à área de saúde, destinadas a compra de ambulâncias e equipamentos hospitalares.

De acordo com as denúncias, os ex-deputados federais Paulo Fernando Feijó Torres (PSDB-RJ), Armando Alves Júnior (PR-AP), Edilberto de Moraes Júnior (PR-AC), Gilberto Nascimento da Silva (PMDB-SP) e Ricarte de Freitas (PTB-MT) atuaram na ramificação política da organização.

Na condição de deputados federais, cabia a eles a elaboração das emendas orçamentárias que destinavam recursos aos municípios e às entidades envolvidas no esquema. As investigações apontaram que os ex-deputados recebiam de 10% a 15% do valor da emenda apresentada como propina das empresas integrantes da organização criminosa.

Os ex-assessores parlamentares Vander Cesário Rosa (ligado a Edilberto de Moraes Júnior) e Antônio Teixeira Souza (que trabalhou para Gilberto Nascimento da Silva) também foram denunciados pelo Ministério Público Federal.

Denúncias

— Paulo Fernando Feijó Torres foi denunciado pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e fraude em licitações.

— Ricarte de Freitas e Armando Alves Júnior foram denunciados por formação de quadrilha, corrupção passiva e fraude em licitação.

— Edilberto Afonso de Moraes Júnior, Gilberto Nascimento da Silva, Vander Cesário Rosa e Antônio Teixeira de Souza foram denunciados por formação de quadrilha e corrupção passiva.

Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2007, 13h17

Comentários de leitores

2 comentários

Armando não se alegre. Dentro de alguns dias p...

Marcelo Lima (Professor Universitário)

Armando não se alegre. Dentro de alguns dias poderá haver a determinação da extinção do processo, porque o MPF fez alguma investigação direta, porque apareceu alguma carta anônima, ou qualquer outro motivo que seja considerado um atentado aos direitos individuais...

Para não esquecer: VIVA A PF! VIVA O MPF!

Armando do Prado (Professor)

Para não esquecer: VIVA A PF! VIVA O MPF!

Comentários encerrados em 16/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.