Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação lacraia

PF tenta desarticular quadrilha acusada de fraude cartorária

A Polícia Federal deflagrou, na manha desta sexta-feira (20/4), a Operação Lacraia. O objetivo é desarticular uma quadrilha que praticava há cerca de 10 anos crimes contra o sistema financeiro, fraudes cartorárias, grilagem de terras da União e corrupção de servidores públicos. Cerca de 200 policiais federais cumprem 33 mandados de prisão e 38 de busca e apreensão nos estados de Mato Grosso, Goiás e São Paulo.

Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Federal de Mato Grosso. A ação é resultado de um trabalho integrado da PF, através da sua Superintendência em Mato Grosso e da Delegacia em Barra do Garças, e do Ministério Público, representado pela Procuradoria da República em Mato Grosso e da Promotoria Criminal de Barra do Garças.

A investigação, iniciada há nove meses, apontou a existência de um esquema de fraudes que funcionava dentro do Cartório do 1º Ofício de Registro de Imóveis, Notas e Protestos da Comarca de Barra do Garças, além dos cartórios de Água Boa (MT) e Baliza (GO), entre outros. De acordo com a PF, o grupo falsificava e forjava registros e títulos de propriedades rurais, que posteriormente eram usados na obtenção de empréstimos e financiamentos bancários.

Segundo agentes da PF, com a colaboração de tabeliães e funcionários dos cartórios, a quadrilha alterava documentos originais, montava registros falsos e duplicava lavraturas. Os fraudadores também utilizavam scanners para copiar assinaturas de terceiros nos documentos que estavam sendo manipulados.

Depois de prontos, os papéis eram envelhecidos em fornos microondas, que acabaram substituindo a velha técnica que utilizava caixas com grilos (razão do termo grilagem de terras). Em média, cada documento era negociado por 5 mil reais, podendo em alguns casos chegar ao valor de R$ 40 mil. Estes pagamentos eram feitos através de depósitos em contas de laranjas, com a finalidade de dificultar o rastreio, informa os agentes.

As escrituras das terras, que na maioria eram de propriedade da União ou não existiam fisicamente, serviam de garantia na obtenção dos empréstimos bancários. Em uma das fraudes, a quadrilha, além de obter o registro falso de uma fazenda, obteve certidões que comprovariam a sua produtividade e também deslocou um rebanho de 100 cabeças de gado até a área. Tudo para que o auditor do banco autorizasse o financiamento.

A PF informa que entre os presos está uma servidora do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). Ela era responsável pela emissão de Certificados de Cadastro de Imóvel Rural.

A operação acontece nas cidades de Barra do Garças e Água Boa (MT); Aragarças, Baliza e Jataí (GO); Mirante do Paranapanema e São José do Rio Preto (SP). As buscas em residências e escritórios servirão para a apreensão de documentos e outros materiais que comprovem a prática dos crimes. Além das prisões e buscas, a Justiça Federal autorizou também a quebra do sigilo bancário e fiscal e o seqüestro de bens (carros, contas, jóias, dinheiro em espécie) dos suspeitos.

Os presos durante a operação deverão ser indiciados pelos crimes de grilagem de terras, formação de quadrilha, crimes contra o sistema financeiro e contra a ordem tributária, falsificação de documentos públicos, lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva, entre outros. Todos os detidos serão levados para a Cadeia Pública de Barra do Garças.

Revista Consultor Jurídico, 20 de abril de 2007, 10h59

Comentários de leitores

2 comentários

O problema é se são condenados no final. duvido...

J.Henrique (Funcionário público)

O problema é se são condenados no final. duvido, gostaria de saber quantos dos presos pela PF (e logo depois soltos, justamente, pela presunção de inocência até sentença TRANSITADO EM JULGADO) estão na cadeia. Se foram absolvidos, devemos investigar se a PF não agiu precipitadamente, com interesses escusos para beneficiar os verdadeiros culpados etc. Mas se o processo ainda está rolando por vários gabinetes até a prescrição... Já repararam que NENHUM figurão foi condenado em definitivo!? Quando tudo se encaminha para tal, fazem um lei prevendo uma exceção (vide a lei fleury [assim mesmo])

Muito bom. Aos poucos a PF vai envolvendo os cu...

Armando do Prado (Professor)

Muito bom. Aos poucos a PF vai envolvendo os culpados pela angústia do povo brasileiro. A propósito: VIVA A PF!

Comentários encerrados em 28/04/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.