Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Destino final

Importação que chega aos portos do nordeste é isenta de frete

Não incide Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante sobre as mercadorias que desembarcam nos portos das regiões norte e nordeste, mesmo que os produtos importados sejam redistribuídos para outras localidades do país. A decisão é da 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça.

Os ministros negaram o recurso da Fazenda Nacional, que pretendia cobrar a taxa da Coteminas — Companhia de Tecidos Norte de Minas. A importação chega pelo Porto de Cabedelo, na Paraíba.

A taxa é cobrada das empresas que usam portos brasileiros. Para incentivar o uso desses pontos de embarque e desembarque no norte e nordeste, a Lei 9.423/97 estabeleceu que, por 10 anos, o frete não incidirá sobre as mercadorias cuja origem ou destino seja algum porto localizado nessas regiões.

A Fazenda recorreu ao STJ contra decisão do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. A segunda instância entendeu que o “destino final” da mercadoria é o Porto de Cabedelo e não a cidade mineira de Montes Claros, onde fica a Coteminas. Por isso, a taxa não deveria ser cobrada.

O relator do caso no STJ, ministro Castro Meira manteve a interpretação do TRF-5 sobre o termo “destino final”. Para ele, pouco importa se a sede e as filiais da empresa que importou a mercadoria estejam em lugares diferentes.

Resp 730.750

Visite o blog Consultor Jurídico nas Eleições 2006.

Revista Consultor Jurídico, 26 de setembro de 2006, 11h23

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.