Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

A força do destino

Mulher pode ter matado coronel Ubiratan, diz procuradora

Por 

“Parece uma ironia do destino, mas um homem que enfrentou tantos embates durante a vida profissional, que participou de um dos episódios mais marcantes do sistema penitenciário, e que tinha muitos inimigos, possa ter morrido nas mãos de uma mulher em que ele confiava ou que pelo menos, que não tinha razões para temê-la”. A opinião é da procuradora de Justiça em São Paulo, Luiza Nagib Eluf, que estudou por muitos anos o crime passional e escreveu um livro sobre o tema, chamado Paixão no banco dos réus.

O coronel da Polícia Militar Ubiratan Guimarães, que comandou o Massacre do Carandiru e era deputado estadual pelo PTB, foi encontrado morto, com um tiro no abdômen, em seu apartamento, no bairro dos Jardins, em São Paulo no domingo (11/9).

Segundo a procuradora, pelo que foi apurado até o momento tudo faz crer que foi uma pessoa próxima que o matou, já que não há sinais de arrombamento no apartamento e nem vestígios de luta. “Há vários indícios de situação de intimidade entre a vítima e o assassino. A polícia encontrou também sêmen, o que traduz uma situação de intimidade.”

Crime passional

Nos estudos de Luiza sobre o crime passional, a procuradora diz que a pessoa que comete o crime movida pela paixão tem um perfil característico. “Que paixão é essa que leva a pessoa a eliminar o objeto de desejo e comete a maior de todas as traições? Ela tem uma conduta extremamente egoísta, possessiva, egocentrada e vingativa. Não se pode querer obrigar alguém a ser fiel. A única fidelidade que existe é espontânea, não pode ser exigida como obrigação, por um dever, um compromisso.”

A advogada Carla Ceppolina, 40, namorada do coronel, foi a última pessoa a ser vista em sua companhia na noite de sábado. Em depoimentos informais a policiais do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa, na segunda e na terça-feira (12/9), ela negou a autoria do crime. Admitiu apenas que discutiu com o namorado no sábado, por causa do telefonema de uma mulher que ele recebeu

Um perito que trabalha no caso revelou, nesta terça-feira, que o tiro que matou Ubiratan Guimarães partiu de uma arma calibre 38, o que reforça a possibilidade de que ele tenha sido baleado com uma de suas próprias armas. Ele guardava em casa sete armas, inclusive um revólver 38. A polícia não tem suspeitos para o disparo.

Fragmentos do crime

Ubiratan foi morto quando estava sozinho em casa. Segundo o delegado-geral Marco Antônio Desgualdo, “as primeiras pistas não indicam envolvimento do PCC. A porta de trás do apartamento estava aberta”, disse.

O coronel foi deixado em casa pelo motorista no sábado à noite. Ele não tinha agenda de campanha no domingo, mas os assessores estranharam a falta de contato, já que ele costumava telefonar mesmo nos dias em que não tinha compromisso.

No fim da tarde, dois assessores foram ao apartamento e encontraram seu corpo caído, aparentemente com um tiro na barriga. No início da noite, o corpo apresentava rigidez cadavérica, o que indica que a morte ocorreu pelo menos 12 horas antes. A perícia do cadáver começou a ser feita por volta da meia-noite da segunda-feira (11/9).

Visite o blog Consultor Jurídico nas Eleições 2006.


 é repórter do jornal DCI.

Revista Consultor Jurídico, 12 de setembro de 2006, 21h51

Comentários de leitores

11 comentários

conheci o cel ubiratan há trinta anos, quando e...

Wanderley Gonçalves Carneiro (Advogado Autônomo)

conheci o cel ubiratan há trinta anos, quando exercia o cargo na policia militar e depois na civil. ao contrário o cel não tinha inimigos. Bandidos esse são inimigos de toda sociedade. foi uma grande perda. A carla por sua reconhecida inteligência, se é que cometeu o delito, não deveria estar no seu melhor dia. wanderley g. carneiro

Naturalmente, a autoria pode ter sido de qualqu...

Milton Córdova (Advogado Autônomo)

Naturalmente, a autoria pode ter sido de qualquer pessoa (coisa mais óbvia ululante), e parece que todos os caminhos leval ao "mordomo", ou seja, à Carla. Acontece que isso é tão óbvio, que penso ser muito dificil (senão impossível) que a Carla, mulher tão inteligente, faria isso, "à vista de todos". Todo mundo viu ela entrar, sair do apartamento, atender telefone e tudo o mais. Pelo critério da razoabilidade e do bom senso, eu diria que não foi a Carla.

"Maria do socorro (Criminal 13/09/2006 - 14:10 ...

Kurt Cobain (Estudante de Direito)

"Maria do socorro (Criminal 13/09/2006 - 14:10 Com certeza esse crime foi mesmo passional. Ao receber o telefonema da outra mulher, CARLA, sentiu que estava sendo abandonada...e cometeu o crime. " CAra Maria do socorro, como V. Sª. pode ser tão IMPRUDENTE???? A senhora deve ter matado as aulas de PENAL, de PROCESSSO PENAL, de CONSTITUCIONAL..... "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;" Art. 5º, inc. LVII da CF... Ou seja: Até que se prove o contrário, a namorada do coronel NÃO PODE SER CONSIDERADA CRIMINOSA!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.