Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fim da moleza

Governo diz que Suzane foi transferida para evitar privilégios

A Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo divulgou na tarde desta segunda-feira (4/9) uma nota de esclarecimento sobre a transferência de Suzane Von Richthofen para a Penitenciária Feminina de Ribeirão Preto. Condenada por planejar e participar da morte de seus pais, Manfred e Marísia, em outubro de 2002, Suzane foi transferida, na noite de sábado, do Centro de Ressocialização de Rio Claro para Ribeirão Preto.

De acordo com a nota, a transferência da jovem “foi motivada pelo envolvimento da Diretora de Segurança do Centro de Ressocialização de Rio Claro com a presidiária”. Segundo a nota, a diretora permitia que Suzane usasse o computador, privilégio não concedido às outras presas, o que teria irritado outras detentas e motivado a transferência, por motivos de segurança.

A Secretaria negou que Suzane tivesse se machucado no trabalho que fazia no presídio e afirmou não haver qualquer reclamação da presa. Logo que voltou para a cadeia, em 22 de julho, Suzane começou a trabalhar fabricando prendedores de roupa. Depois, ela passou a ajudar no setor administrativo e a fazer caixinhas de papelão.

Ainda segundo a nota oficial, a Secretaria “determinou o afastamento da Diretora de Segurança e Disciplina, bem como instauração de procedimento administrativo disciplinar, para apurar o grau de envolvimento e a responsabilidade da funcionária”. A informação é do Portal do Estadão.

Suzane foi condenada a 39 anos e 6 meses de prisão, mesma sentença dada ao então namorado dela, Daniel Cravinhos. Eles foram condenados pelo assassinato dos pais dela, Marísia e Manfred Von Richthofen, em outubro de 2002. O irmão de Daniel, Christian, participou do crime e foi condenado a 38 anos e 6 meses de prisão. Os irmãos Cravinhos cumprem pena em São Paulo.

O ex-tutor e advogado de Suzane, Denivaldo Barni, disse que vai cobrar explicações da Secretaria de Administração Penitenciária sobre a transferência de sua cliente. “Fiquei sabendo através da imprensa, no fim de semana. Ninguém me comunicou nada e gostaria de saber o fundamento dessa transferência. Em Rio Claro, Suzane já estava em um presídio, com outras detentas condenadas, inclusive, a regime fechado” disse o ex-tutor à Agência Globo.

Revista Consultor Jurídico, 4 de setembro de 2006, 20h12

Comentários de leitores

5 comentários

Muito se tem falado a respeito do crime organiz...

gilberto prado (Consultor)

Muito se tem falado a respeito do crime organizado dentro dos presidios.Entretanto, pouco se tem comentado sobre a corrupção dentro das penitenciarias, onde a lei que predomina é o dinheiro.O govero de Geraldo Alckimin implantou, desenvolveu o modelo de corrupção dentro dos presidios, fez de conta que tudo estava sob controle.E ainda tem a coragem de vir a televisão falar em segurança.

Meu amigo Comentarista: De novo a mistura de...

Richard Smith (Consultor)

Meu amigo Comentarista: De novo a mistura de "alhos com bugalhos" de sua parte! A Matricida-Parricida foi transferida porque infringia disposições administrativas, com o uso do computador e da internet. Tanto é o caso que a diretora, por ela cooptada, também foi punida. E pior, tal atitude perturbava a harmonia na cadeia, vez que os INDEVIDOS privilégios, provocavam a ira das outras detentas, colocando inclusive em risco a própria vida da Indigna. De tudo isto ressalta-se que: a) Na cadeia, precisa haver ordem e disciplina, senão vira a "casa-da-mãe-joana" que nós conhecemos dos presídios masculinos; b) Ela violou esta disciplina, formal, com o auxílio da Diretora, engabelada por ela (trouxa!); c) Em assim sendo, foi punida com a transferência, até para a sua própria incolumidade; d) Assim, a "pobre" e "quase-virgem" moça não está sendo penalizada acessóriamente, nem "em excesso" e muito menos, com "truculência"; Tudo certinho e conforme a Lei das Execuções e do regulamento disciplinar carcerário. O resto, meu amigo, é panfletarismo. Um grande abraço. p.s. Um aviso: ela não vai durar muito no sistema prisional. O crime que ela cometeu é extremamente repugnante para a massa carcerária, que segue a tão famosa, quanto impiedosa, "lei-do-cão". Quem viver verá. Num dia qualquer de rebelião ou de banho de sol...

É a eterna tese da penalização do preso, em det...

Comentarista (Outros)

É a eterna tese da penalização do preso, em detrimento da apenação prevista em lei. E como muitos ainda não aprenderam que a truculência apenas gera resultados como o PCC e outras facções que hoje dominam o sistema prisional e sobrepõem sua força ao próprio poder estatal, vamos continuar com a recrudescência para satisfazer o "clamor público". Pelo menos até o problema chegar às nossas casas ou famílias...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.