Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ponto pacífico

Motorista não consegue reaver arma apreendida pela Justiça

O Supremo Tribunal Federal não julga Mandado de Segurança em que figure como autoridade coatora Turma Recursal de Juizados Especiais. O entendimento, já pacífico, foi reafirmado pela ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal.

A ministra arquivou o pedido de Mandado de Segurança ajuizado pelo motorista José Nunes Pereira Filho. O objetivo do motorista era obter a devolução de um revólver calibre 38 apreendido pela Justiça de Andradina (SP).

José Nunes relata que, depois de responder a ação penal no Juizado Especial por porte ilegal de arma e de a Justiça ter extinto a punibilidade, pediu a devolução da arma apreendida, mas a solicitação foi negada. A alegação do Juizado Especial seria o fato de o registro do revólver estar com a data de validade vencida, conforme a Lei 10.826/03 [que dispõe sobre armas de fogo].

O motorista alegou que o registro estava devidamente regularizado e que a documentação não tinha data de validade. A ministra não analisou os argumentos. “Não se inclui a atribuição deste Supremo Tribunal para processar e julgar, originalmente, pedido de Mandado de Segurança em que figure como autoridade coatora Turma Recursal de Juizados Especiais, cujos atos estão sujeitos ao primeiro controle da própria turma recursal”, afirmou.

MS 26.201

Saiba como buscar eficiência e rentabilidade para seu escritório no Seminário Os Rumos da Advocacia para 2007.

Revista Consultor Jurídico, 28 de outubro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/11/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.