Consultor Jurídico

Encontro ilegal

PF chama reportagem da Veja de leviana e fantasiosa

A Superintendência da Polícia Federal em São Paulo divulgou um comunicado neste final de semana contestando a reportagem "Um enigma chamado Freud", da última edição da revista Veja. A PF afirma que a versão publicada é leviana e fantasiosa. Nela, noticia-se que integrantes da PF facilitaram um encontro ilegal entre os petistas Freud Godoy e Gedimar Passos, para acertar os depoimentos dos dois e proteger o presidente Lula.

Gedimar Passos e Valdebran Pereira foram presos dia 18 de setembro com R$ 1,75 milhões. O dinheiro seria usado para a compra de um dossiê com documentos e imagens para envolver os tucanos José Serra e Geraldo Alckmin na máfia dos sanguessugas. Em seu primeiro depoimento, Gedimar acusou Freud Godoy, ex-assessor especial do presidente Lula, de ser o mandante da compra.

Na reportagem contestada pela PF, a revista descreve uma "operação abafa" para blindar o presidente Lula, comandada pelo ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, que fez Gedimar recuar e dizer que Freud não tem nada a ver com a negociata. Para convencer Gedimar, segundo a revista, a PF autorizou uma visita de Freud a Gedimar, fora do horário regular e sem registro de autorização.

A revista também acusa o ministro da Justiça de ter telefonado para o superintendente da PF, Geraldo José Araújo, logo após a prisão de Gedimar para perguntar: “Isso respinga no presidente?”. A publicação se baseia no relato escrito de três delegados da corporação, cujos nomes não são citados na reportagem.

Segundo a PF, não é verdade que o superintendente tenha recebido telefonema de Márcio Thomaz Bastos. "Tal fato nunca ocorreu". De acordo com o comunicado, "o texto da página 49 da citada revista apresenta relatos inverídicos e imprecisos e se baseia em manifestação anônima, supostamente escrita por 'três delegados de polícia federal', conduta que, se verdadeira, se mostra incompatível com o exercício da função policial."

"Apesar de alertada sobre a total improcedência das ilações, inclusive diante de provas documentais, a revista Veja optou por tentar criar fatos para sustentar sua versão fantasiosa."

Leia o comunicado

Em referência à matéria publicada pela Revista Veja na edição de 18 de outubro de 2006, intitulada "Um enigma chamado Freud", a Polícia Federal em SP vem a público dizer serem levianas e fantasiosas as informações que acusam a instituição da prática de graves ilegalidades, autorizando um encontro entre os personagens citados na matéria com o Sr. Gedimar Passos, custodiado, à época dos fatos, na carceragem da Superintendência Regional da PF em SP.

O texto da página 49 da citada revista apresenta relatos inverídicos e imprecisos e se baseia em manifestação anônima, supostamente escrita por "três delegados de polícia federal", conduta que, se verdadeira, se mostra incompatível com o exercício da função policial.

Os presos, Gedimar e Valdebran, foram retirados da custódia por volta de 20 horas do dia 18 de setembro com destino à cidade de Cuiabá/MT. Antes, o Sr. Gedimar havia saído da cela unicamente para a realização da acareação, retornando às 17 horas. Tudo registrado em livro a que a citada revista teve amplo acesso.

Além disso, o Agente Federal Herculano não realiza plantão na carceragem da PF em SP, mas sim, chefia o referido núcleo, encerrando seu expediente diariamente às 18 horas. Não era, pois, o plantonista no dia 18.

Ressalte-se que o Sr. Freud Godoy apresentou-se espontaneamente na tarde do dia 18.09 (14 horas e 30 minutos), foi acareado com o Sr. Gedimar Passos por volta de 16 horas e 30 minutos e após deixou as dependências da PF em SP, sob a cobertura da imprensa nacional, não mais retornando ao prédio.

Igualmente mentirosa é a versão que o Superintendente da PF em SP, Delegado Geraldo José de Araújo, teria recebido telefonema do Exmo. Sr. Ministro da Justiça, indagando-o sobre eventual "respingo no presidente". Tal fato nunca ocorreu.

Observe-se que o APF Herculano realmente foi procurado por uma repórter da revista, contudo em todo o diálogo desmentiu categoricamente as afirmações da jornalista. Apresenta-se leviana, pois, a ilação da reportagem que assevera não ter o interlocutor confirmado nem desmentido os fatos.

Apesar de alertada sobre a total improcedência das ilações, inclusive diante de provas documentais, a revista Veja optou por tentar criar fatos para sustentar sua versão fantasiosa.

O Departamento de Polícia Federal não pratica e não admite a prática de ilegalidade, constituindo-se em "Polícia de Estado", voltada unicamente ao combate à criminalidade e à garantia da ordem pública e da segurança da sociedade brasileira e atua com o firme propósito de esclarecimento de todos os fatos apurados no desdobramento das ações relacionadas à Operação Sanguessuga.

Superintendência Regional da Polícia Federal em São Paulo




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de outubro de 2006, 14h33

Comentários de leitores

77 comentários

Bem, Carlos, apenas para constar: à ming...

Richard Smith (Consultor)

Bem, Carlos, apenas para constar: à mingua de qualquer outro comentário ou desculpas de sua parte, considero-me vencedor na controvérsia. Não faço isso por prazer e nme por despeito, mas apenas par que fiquem claras as coisa, porque o assunto é terrivelmente sério. Aproveito para reiterar a você a minha opinião no sentido da impossíbilidade de oferecimento de voto a um índividuo nas circunstâncias do Excomungado (e agora você sabe porque o chamo assim). Passe bem.

Ok, Carlos, é um direito seu. Mas penso ...

Richard Smith (Consultor)

Ok, Carlos, é um direito seu. Mas penso que, se você desmentiu as afirmações que fiz a você, disse, publicamente, que eu estava mentindo e me pediu evidências, não fica bem voce "puxar o carro" agora, como se nada fosse. Ou você comenta e pede maiores esclarecimentos e evidências (e eu as tenho sobrando) ou você admite, com honestidade, que eu estava certo e, se quiser, me pede desculpas. Até porque, penso que por simples lógica e coerência, se você é tão contrário ao aborto assim, o seu voto no Canalha Abortista Excomungado e no seu partido, se torna absolutamente impossível nas circunstâncias! Faça como achar melhor.

Ficou, Richard. Esse assunto tá esgotado para m...

Carlos o Chacal (Outros)

Ficou, Richard. Esse assunto tá esgotado para mim.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.