Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

EUA x Cuba

Jornalistas pagos para fazer campanha anti-Cuba são demitidos

Por 

Jesus Diaz Jr, publisher do jornal americano The Miami Herald deixou seu cargo nesta terça-feira (3/9), como conseqüência da recente revelação de que jornalistas da publicação em espanhol daquele matutino, o El Nuevo Herald, eram pagos pelo governo dos EUA para atacar o governo de Cuba.

Diaz também se demitiu do cargo de presidente da empresa Miami Herald Media Co. Em carta aos leitores, o editor disse que a empresa que publica os jornais deveria recontratar os jornalistas demitidos. O cargo será assumido por David Landsberg, que vinha ocupando o cargo de gerente-geral, informou a The McClatchy Company, empresa do conglomerado e que tem base em Sacramento, Califórnia

Uma reportagem publicada em 8 de setembro passado, na edição online do jornal, afirmava que o governo americano pagou milhares de dólares durante vários anos a pelo menos dez jornalistas de Miami para que veiculassem histórias negativas sobre Cuba e seu líder, Fidel Castro.

Esses jornalistas, segundo o The Miami Herald, recebiam pagamentos regulares do governo dos Estados Unidos para produzir programas na Rádio e na TV Martí. As duas emissoras, administradas pelo governo americano, transmitem notícias e programas em espanhol para Cuba e, conforme a reportagem, têm o objetivo de "minar o governo comunista de Fidel Castro e promover a democracia e a liberdade em Cuba."

Segundo o The Miami Herald, os três jornalistas que recebiam as somas mais altas trabalhavam para o El Nuevo Herald, jornal de língua espanhola publicado pela mesma empresa do The Miami Herald

.

Um deles, Pablo Alfonso, que tem uma coluna de opinião no El Nuevo Herald, recebeu US$ 175 mil para apresentar programas nas duas emissoras. O repórter Wilfredo Cancio Isla recebeu US$ 15 mil, e a freelancer Olga Connor, US$ 71 mil. Os três foram demitidos e não comentaram o assunto. Na época, Jesus Diaz Jr. acusou os jornalistas envolvidos de violarem a "sagrada confiança" do público.

Um porta-voz das emissoras administradas pelo governo dos EUA, Joe O´Connell, negou qualquer irregularidade e afirmou que os jornalistas simplesmente foram pagos por suas contribuições e seu conhecimento a respeito da política cubana.


 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 3 de outubro de 2006, 18h50

Comentários de leitores

9 comentários

Rapá! Se todos os "jornalistas" PeTelhos e PeTr...

Richard Smith (Consultor)

Rapá! Se todos os "jornalistas" PeTelhos e PeTralhas fossem demitidos dos veículos aonde se alojam, o desemprego dobraria nestepaiz. Se fossem todos para Cuba, digamos, afundariam a Ilha! Com certeza.

Senhores(as), com inteira razão quem disse q...

Dantas (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Senhores(as), com inteira razão quem disse que temos que ler mais livros. Quando viajamos aos países ditos de 1° mundo - e até nosso hermanos argetinos e urugaios - e andamos de metrô, ônibus, trem etc. temos a felicidade de ver que a imensa maioria aproveita o tempo para ler um bom livro. Agora, cá prá nós, se a moda pega aqui no Brasil..., não no sentido de falar de Cuba, mas no sentido de ser unilateral, só dar um lado da notícia e poupar o outro. Alguém seria capaz de calcular o número de jornalistas desempregados? João Dantas

Tal acontecido é apresentado de maneira negativ...

Diogo.lino (Estudante de Direito - Criminal)

Tal acontecido é apresentado de maneira negativa ja que fere,não sendo aprimeira vez,a credibilidade dos meios de publicidade,e mostra tambem que manipular opiniões não se aprsenta com exclusividade dos meios de comunicação brasilairos. NÃO PODEMOS ACREDITAR EM TUDO QUE É COLOCADO PARA NÓS,TEMOS QUE OBSERVAR OS INTERESSES PARTICULARES.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/10/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.