Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Roubo de cargas

Lewandowski nega pedido de liberdade de ex-delegado da PF

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, negou o pedido de Habeas Corpus ajuizado em favor do ex-delegado da Polícia Federal Wilson Alfredo Perpétuo. Ele foi preso durante a Operação Lince, da própria PF, sob a acusação de roubo de cargas e adulteração de combustíveis.

A defesa do ex-delegado alegou que a decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região de decretar a prisão preventiva de Perpétuo teve como fundamento apenas a existência de prova da materialidade e índicos de autoria, o que seria insuficiente para mantê-lo preso.

O ministro entendeu que o decreto de prisão preventiva foi bem fundamentado. Também considerou que não haveria motivos para discutir o excesso de prazo para o encerramento da instrução criminal.

Operação Lince

A Operação Lince, na qual o delegado Perpétuo foi preso, foi desencadeada pela Polícia Federal no dia 23 de junho de 2004, quando mais de 100 homens, entre delegados e agentes, foram mobilizados em cinco estados e no Distrito Federal para cumprir a prisão dos supostos envolvidos no roubo de cargas e adulteração de combustíveis.

Pelo menos oito pessoas, incluindo delegados da Polícia Federal, foram presas durante a operação em Ribeirão Preto. O delegado-chefe da Polícia Federal em Ribeirão, José Bocamino, o delegado Wilson Perpétuo e o agente federal Luís Cláudio Santana foram presos em casa.

Também foram presos na operação o advogado Fauzi José Saab Júnior, e dois outros investigados por roubo de cargas, Roberto Lopes Álvares e Jair Dias de Moraes. Além da prisão dos suspeitos, foram cumpridos 30 mandados de busca e apreensão e todo o material foi encaminhado para Brasília.

HC 87.775

Revista Consultor Jurídico, 27 de março de 2006, 18h09

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/04/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.