Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dias de fúria

Onda de violência urbana atinge outros estados

A violência provocada por criminosos em São Paulo alastrou-se por outros estados. No Paraná, 700 presos se rebelaram em quatro presídios do oeste do estado e em Mato Grosso do Sul, 180 visitantes são mantidos reféns em quatro penitenciárias onde os presos também se rebelaram. Na manhã desta segunda-feira (15/5), um preso foi decaptiado. No estado da Bahia duas pessoas morreram em ataque a ônibus. A informação é do portal Terra.

O preso decapitado cumpria pena por cinco homicídios. Na manhã do domingo (14/5), quatro penitenciárias iniciaram rebeliões no Mato Grosso do Sul: Corumbá, Três Lagoas e os presídios de segurança máxima Harry Amorim Costa, em Dourados, e de Campo Grande. Em todas elas, agentes penitenciários são feitos reféns. Cerca de 180 visitantes permanecem retidos no Estabelecimento Penal de Segurança Máxima, entre eles cerca de 50 crianças que estavam ontem de manhã no local em visita excepcionalmente permitida em razão do Dia das Mães.

Por volta das 10h, terminou a rebelião na penitenciária de Corumbá, MS, com a liberação dos reféns. Dois presos foram mortos, um teve os olhos arrancados e foi degolado. Segundo informações da Jovem Pan, o Primeiro Comando da Capital (PCC) teria determinado a rebelião na penitenciária.

Paraná

No Paraná, os presos se rebelaram nas penitenciárias de Cascavel, Toledo, Assis Chateaubriand e Foz do Iguaçu. As três primeiras foram controladas; em Foz do Iguaçu a situação ainda é tensa. Um preso que era mantido refém se atirou do telhado. Na madrugada desta segunda, os detentos incendiaram os colchões do presídio de Foz do Iguaçu. Até às 9h, 700 presos estavam rebelados.

A Secretaria de Segurança Pública do Paraná divulgou na noite de ontem uma nota afirmando que as rebeliões não têm ligação com os movimentos que acontecem em São Paulo.

Bahia

Durante a noite do domingo, duas pessoas morreram e seis suspeitos foram presos em ataque a três ônibus na cidade de Itabuna, na Bahia. Os criminosos assaltaram os passageiros e atearam fogo no ônibus.

Também em Belo Horizonte, dois ônibus foram incendiados, mas as autoridades descartam que possa haver ligação com os atos de violência de São Paulo.


Revista Consultor Jurídico, 15 de maio de 2006, 12h38

Comentários de leitores

2 comentários

Exclusivo: Polícia sugere TOQUE DE RECOLHER à p...

Comentarista (Outros)

Exclusivo: Polícia sugere TOQUE DE RECOLHER à partir das 20:00 horas de hoje em SP. Sugestão jocosa: O primeiro a ser recolhido poderia ser o próprio governador, de preferência no RDD e junto do Marcola, o qual poderia lhe ensinar como "governar" alguma coisa. Pergunta que não ofende: Por onde andará o picolézinho de chuchu? E a "excelência administrativa" e o "choque de gestão" do PSDB/PFL?

SP, governado (?) pelo PSDB/PFL, está ficando f...

Comentarista (Outros)

SP, governado (?) pelo PSDB/PFL, está ficando famoso: - O PCC domina o Estado; - Mais de 150 ataques no final de semana; - Mais de 90 mortos; - Dezenas de ônibus (mais de 80) incendiados; - Dezenas de agências bancárias atacadas; - Delegacias Policiais metralhadas; - Agências dos Correios e do Metrô destruídas; - Viaturas Policiais metralhadas; - Etc. E os governantes?!? Pois bem, vamos lá: - O Governador do Estado, do PFL, RECUSA a ajuda do governo federal, dizendo que está "tudo sob controle"; - Enquanto a violência explodia, o governador de SP "inaugurava" obras; - A violência em SP já é notícia até na imprensa do Iraque; - O picolézinho de chuchu simplesmente "desapareceu"; - Há notícias de que o GOVERNO (?) de SP já teria enviado EMISSÁRIOS para negociar com os representantes do PCC; - Os ignorantes de plantão, como sempre, pregam o "estado de exceção", com a volta dos asquerosos golpistas que até hoje enojam nossa história. Se antes sentíamos vergonha de ser brasileiros, hoje sentimos nojo.

Comentários encerrados em 23/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.