Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Solução por tempo

Prescreve ação contra deputado paraibano de 70 anos

Foi arquivada a ação penal contra o deputado federal Enivaldo Ribeiro (PP-PB). Ele foi denunciado pelo Ministério Público Federal por não ter recolhido contribuição previdenciária sobre a folha de salários de uma empresa da qual era sócio. O Plenário do Supremo Tribunal Federal reconheceu, por unanimidade, a ocorrência de prescrição do crime.

O deputado participou da sociedade da empresa Faça Comércio de Veículos entre os meses de outubro de 1995 a abril de 1996. A defesa de Enivaldo Ribeiro alegou que a prescrição para o crime pelo qual o deputado foi acusado é de 12 anos, nos termos do artigo 109, inciso III, do Código Penal. Como o deputado já completou 70 anos, a defesa alegou que ele seria beneficiado pelo artigo 115 do Código Penal, que reduz o prazo prescricional pela metade. Por isso, o advogado pediu para que a ação fosse arquivada porque já se passaram mais de seis anos.

O procurador-geral da República, ao se manifestar sobre o pedido feito pela defesa do parlamentar, entendeu que houve causa interruptiva da prescrição pelo recebimento da denúncia. Sobre o argumento de que o prazo prescricional teria se reduzido a metade, o PGR afirmou que seriam seis anos, contados a partir do recebimento da denúncia, rejeitando os argumentos da defesa do parlamentar.

O relator, ministro Sepúlveda Pertence, afirmou estar convencido da ocorrência da prescrição. Ele ressaltou que o artigo 115, do Código Penal, prevê a redução pela metade do prazo de prescrição “se o criminoso era, na data da sentença, maior de 70 anos”.

Tal norma, de acordo com Pertence, alcança aqueles que completam mais de 70 anos em data anterior à condenação. Por outro lado, o ministro entendeu não estar presente impedimento para se reconhecer a ocorrência de prescrição retroativa, “pois transcorreram mais de seis anos entre a data em que cessou a continuidade criminosa (setembro de 1995) e o recebimento da denúncia (5 de agosto de 2004)”.

AP 379

Revista Consultor Jurídico, 4 de maio de 2006, 7h00

Comentários de leitores

2 comentários

Parece que o crime compensa, bastando voce ter ...

Bira (Industrial)

Parece que o crime compensa, bastando voce ter um bom advogado e contar com a imaturidade da acusação.

Essa justiça eleitoreira, é só de ‘FAZ DE CONTA...

Pirim (Outros)

Essa justiça eleitoreira, é só de ‘FAZ DE CONTA’ – eis quê agem só para os ‘pequenos’ e para os ‘GRANDES’ é só conversa de pé de ouvido, entrevista e discursos dura ali outra lá – mais na hora de PEGAR UM RATO GRANDE, a mesma vem com mil e uma descupas evasivas – de que o fulano tem ‘prazos’ e depois toda a sociedade esquecerá – os supostos ‘acordões’ e tudo votará com dantes no país de Abrantes! É só conversa fiada !!!! Data máxima vênia, o discurso de Vossa Excelência é de boa intenção e real, mas na hora de pegar o rato grande, eu duvido com essa justiça assim como as outras, faz vista grossa. Eu duvido que esse parlamentares de atualmente tenha a vontade de FAZEREM as reformas necessárias !!! Se todos os ELEITORES nessa eleição tivesse a esperteza, em prol da democracia verdadeira, substituíssem, votando, trocando 99 % dessa cambada viciada em corrupção que lá estar, concerteza poderia termos um parlamento e um executivo “menos sujo” e se poderia aí sim, vislubrarmos uma luz no fim do túnel, já que não ficariam para “ensinar as patifarias e vícios” aos demais novos ! Mas teria de serem substituídos não menos de 99 %. Aí sim poderia a nação “sustentar toda essa estrutura inócua, da JUSTIÇA ELEITORAL, caso contrário é ficar malhando em ferro frio” !!!!

Comentários encerrados em 12/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.