Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Voltado para o crime

Juiz decreta prisão de acusado de fazer gato em telefone

Fazer ligação clandestina em linha de telefone é crime de estelionato. Com este entendimento o juiz Jesseir Coelho Alcântara, da 1ª Vara Criminal de Goiânia, determinou a prisão de Cilas Pereira da Silva, acusado de fazer “gato” na linha de telefone da sua vizinha. A ordem foi cumprida nesta quinta-feira (23/2).

O juiz entendeu que Silva demonstra personalidade voltada para a prática de crimes. “O acusado realizou reiteradas vezes artifícios ilegais para a obtenção de vantagens sobre as pessoas, sendo necessária a decretação de sua custódia como garantia da ordem pública, evitando-se que o representado continue a cometer novos fatos delituosos, causando prejuízos a mais pessoas da comunidade”, observou.

“A própria autoridade policial afirmou que o acusado se escondeu dos policiais por várias vezes com o objetivo de evitar ser notificado para prestar declarações, demonstrando disposição para dificultar as investigações”, o que indica a necessidade da prisão do acusado, concluiu o juiz.

Processo 2003.02.49976-2

Revista Consultor Jurídico, 24 de fevereiro de 2006, 18h22

Comentários de leitores

5 comentários

Entendo que, cada um deve fazer a sua parte par...

Cruz (Prestador de Serviço)

Entendo que, cada um deve fazer a sua parte para que a sociedade viva tranquila e segura, se cometeu crime, não intereça o que foi, deve pagar por ele. Se não ha vagas nas penitenciarias, não é da copetencia do judiciario, mas sim do executivo em reformar ou construir novas unidades prisionais, se Susane a moça que matou os pais esta livre, não é por que um juiz a achou bonitinha, mas sim porque dentro das regras legais seu advogado encontrou uma brecha para defendela! Se meu filho roubar uma bala no supermercado, terei com ele a mesma atitude que se descubrisse que ele furta som em altomoveis, pois se deicharmos passar os pequenos delitos em branco, em pouco tempo perderemos as redeas da sociedade, e então viveremos numa verdadeira terra de ninguém! Parabenz ao magistrado!

DENIS H.M.CALLEGARI( ESTUDANTE) Hà lei é...

DENIS (Prestador de Serviço)

DENIS H.M.CALLEGARI( ESTUDANTE) Hà lei é para ser cumprida e não discutida!!

Juridicamente concordo com o juiz. A gravidade ...

BARROS (Delegado de Polícia Estadual)

Juridicamente concordo com o juiz. A gravidade do crime, por si só, não basta para que seu autor necessariamente fique preso cautelarmente. Há que se analisar se o comportamento do acusado, antes, durante e após a prática do gesto criminoso sinaliza a necessidade da segregação da liberdade. Autores de crimes graves, como homicídio, por exemplo, algumas vezes revelam comportamento passível frente a persecução penal, enquanto outros, autores de crimes menos graves, aos olhos de leigos, podem apresentar comportamento explicitamente contrários ao sucesso das investigações ou do processo, merecendo pois sejam cautelarmente presos. Parabenizo o magistrado, pela coragem.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/03/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.