Consultor Jurídico

O preço do túnel

Serra poderá responsabilizar Marta por obras mal feitas

Por 

Empresas que colocam sua sede de fachada em outro município, mas mantêm atividade econômica principal em São Paulo, devem recolher o ISS — Imposto Sobre Serviços na capital paulista. A prefeitura de São Paulo promete agir para fazer a cobrança. Isso é o que garante o secretário municipal de Negócios Jurídicos, Luiz Antônio Marrey. “Isso é uma fraude, é inaceitável, e a prefeitura vai agir para cobrar o ISS dessas empresas, pois entende que ele é devido aqui”, afirmou.

Em entrevista à equipe da Consultor Jurídico(*), na sede da revista, Marrey revelou que a administração atual da prefeitura estuda responsabilizar a ex-prefeita Marta Suplicy por obras como o túnel da avenida Rebouças, que custou R$ 97 milhões e alagou depois de cerca de três meses de sua inauguração. “Nós temos a posição de não fazer nada açodadamente e nem fazer afirmativas sem o devido estudo. Então esta questão do túnel está sendo estudada do ponto de vista do gasto público e da sua adequação”.

No comando de 400 procuradores municipais, Marrey tem a tarefa de tentar receber, judicialmente, créditos que remontam a casa de R$ 16 bilhões. São cerca de dois milhões de ações, principalmente referentes a ISS e IPTU — Imposto Municipal sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana. “Em relação ao ISS, muitas empresas desaparecem e esse crédito fica difícil de ser recebido. Então, quando se diz que há R$ 16 bilhões de dívida ativa, na verdade esse número na prática é uma ficção”, afirma Marrey.

O secretário atacou o governo federal, inclusive invocando a figura do enriquecimento ilícito para enfatizar que, enquanto empresas privadas são financiadas pela União com juros privilegiados (Taxa de Juros de Longo Prazo), os municípios são castigados com o IGP-DI mais 9%, em flagrante desequilíbrio de tratamento. “A União tem enriquecimento ilícito as custas das pessoas e dos municípios estão nessa situação. Essa relação é injusta, ilegal e precisa ser revista”, conclui Marrey.

Leia a entrevista

Conjur — É possível governar sem desobedecer a lei?

Marrey — Claro que é. E há exemplos de administrações que têm evitado problemas legais importantes. É claro que o direito permite mais de uma interpretação para muitos temas. Você pode ter controvérsia em relação a este ou aquele assunto, porque há diversas interpretações legítimas para o mesmo assunto. Mas não só é possível como é necessário que se governe dentro da legalidade.

Conjur — Quanto à lei da responsabilidade fiscal, só agora se saberá se o que ela prevê é possível. Nesse primeiro ano de avaliação o senhor acha que os resultados serão bons?

Marrey — O Brasil é um país muito díspar, depende muito da aplicação da lei nos diversos judiciários e nos tribunais de contas. Eu creio que nós vamos ter essa primeira fase de aplicação, que deverá ser feita com bom senso. Como em toda lei, o que é impossível não pode ser exigido, mas o que é possível e não foi cumprido tem de ser exigido e tem de haver punição. Não há condições, por exemplo, de fazer a aplicação rígida da lei em municípios com fatores estruturais de endividamento que condicionem o gasto público ou naqueles que possam parar de funcionar com a aplicação literal da lei. Nesses casos, teríamos formalmente a infração à lei de Responsabilidade Fiscal mas materialmente não -- uma aplicação rígida comprometeria as atividades essenciais. Essa distinção é que deve ser feita. Mas, em outros lugares, quando era possível cortar gastos de maneira razoável [os governos] não só não cortaram, como aceleraram gastos, às vezes supérfluos, em período pré-eleitoral. É claro que, nessa hipótese, se não deixaram [a administração] cobertura para os débitos contraídos estará configurada a infração dentro da lei de Responsabilidade Fiscal. Há um grande esforço nesse momento na atividade dos tribunais de contas, do Judiciário e do Ministério Público na apreciação desses casos, separando o joio do trigo.

Conjur — A cidade de São Paulo se enquadra nesse caso em que o comprometimento com a dívida inviabiliza a aplicação da Lei de Responsabilidade Fiscal?

Marrey — São Paulo tem problemas estruturais de dívida, mas não me parece que seja o fator determinante de gastança de passado recente. Há uma questão que tem de ser discutida, que é aquela relativa à dívida das cidades, especialmente de São Paulo com a União. A cidade paga à União juros altíssimos para sua dívida, e a União quando empresta a particulares ou mesmo quando financia os débitos de tributos cobra taxa maior. Então quando o município paga essa quantidade de juros, na verdade quem está pagando é a população na forma de impostos. A União está tendo um enriquecimento sem causa, às custas das pessoas e dos municípios que têm essa situação. Essa relação é injusta, ilegal e precisa ser revista. Creio que na cidade de São Paulo tivemos o legado de uma dívida bastante grande que não se resume à questão estrutural.




Topo da página

 é correspondente da Revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 20 de junho de 2005, 14h51

Comentários de leitores

1 comentário

O Dr.Marrey, lucido expoente do Ministerio Públ...

Antonio Gusman (Procurador de Justiça de 2ª. Instância)

O Dr.Marrey, lucido expoente do Ministerio Público Paulista, honra nossa Instituição, agora tambem no respeitavel cargo de Secretario Municipal dos Negocios Juridicos de São Paulo. A profundidade e a coerência de sua manifestação, nas relevantes questões acostadas no artigo supra, patenteia essa assertiva. Cobrar divida tributaria é materia insana que o Secretario vem enfrentando com galhardia. Parabens. Antonio Gusman Filho, Procurador de Justiça aposentado, ex.Diretor Juridico da Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul/SP.

Comentários encerrados em 28/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.