Consultor Jurídico

Mau comportamento

Elias Maluco continua preso em regime diferenciado

O traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco teve seu pedido de Habeas Corpus negado e não poderá sair do regime especial a que está submetido no presídio de Bangu I. A decisão é da Seção Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, na sexta-feira (17), que negou recurso do advogado Célio Maciel.

Segundo a direção do presídio, ele teria praticado gesto obsceno, e não vestia o uniforme de presidiário quando voltava do fórum, no dia em que foi a julgamento. Além disso, foram apreendidas correspondências de Elias Maluco com ordens para o tráfico. As informações são do Tribunal da Justiça do Rio de Janeiro.

A desembargadora Gizelda Leitão,que decidiu sobre o caso, disse não haver dúvida de que Elias Maluco adotou "comportamento arrogante, afrontoso e indisciplinado" ao sair do plenário no dia 25 de maio."Não falamos somente na troca de camisa do uniforme por outra, mas também, do gesto obsceno que o paciente fez quando se retirava do plenário e, ainda, a apreensão de correspondência (possivelmente de sua lavra) com expressa referência ao episódio da troca de camisa, quando do julgamento no I Tribunal do Júri", afirmou Gizelda.

O traficante está incomunicável desde o seu julgamento, no 1º Tribunal do Júri e não pode receber visita de sua família e nem dos seus advogados.

Acusado pelo assassinato do jornalista Tim Lopes e pelos crimes de homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e formação de quadrilha, Elias Maluco, foi condenado a 28 anos e meio de prisão.

Pelos mesmos crimes, o traficante Cláudio Orlando do Nascimento, o Ratinho, foi condenado pelo 1º Tribunal do Júri a 23 anos de prisão em regime fechado, na quarta feira (15/6).

Tim Lopes, de 51 anos, foi morto quando fazia reportagem investigativa sobre bailes funk, na favela da Vila Cruzeiro, na Penha, para o TV Globo, em 2 de junho de 2002. Foi também autor da reportagem sobre o Feirão das Drogas nos morros cariocas, entre eles, o do Alemão, em Ramos. O jornalista teria sido torturado e seu corpo esquartejado e queimado pelos traficantes.





Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 20 de junho de 2005, 15h52

Comentários de leitores

2 comentários

Exemplar ao posicionamento do TJRJ. Nos faz lem...

Themis_SC (Outros)

Exemplar ao posicionamento do TJRJ. Nos faz lembrar que é possível cumprir as leis sem distinções. Nos faz crer que ainda há justiça e que ela pode sim punir, que a impunidade não é a regra. Decisões como essa merecem ser noticiadas, pois mostram que por enquanto ainda vivemos num estado democrático de DIREITO.

Muito bom o artigo, nessa sociedade onde apenas...

Paulo da Cruz Duarte (Estudante de Direito)

Muito bom o artigo, nessa sociedade onde apenas os rebeldes e os mais abastados tem previlegios com raras excessões, podemos ver um judiciario que realmente zela pela isonomia e pela o bom exercicio da já não tão exercida JUSTIÇA, PARABENS AO 1º TJ DO RJ e continue sendo esse exemplo de coragem para aqueles que não se submetem a jurisdição de nosso Estado.

Comentários encerrados em 28/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.