Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Busca no Paraguai

Comissão tenta encontrar filhos seqüestrados pelo pai

Por 

Uma comissão embarcou ao Paraguai, neste fim de semana, para tentar encontrar duas crianças seqüestradas pelo pai em fevereiro passado -- um caso que já partiu para a arena jurídica e da diplomacia internacional. Trata-se do caso da professora Genilma Boehler. Seus filhos Arturo e Guilhermo foram seqüestrados pelo ex-marido e pai das crianças, Eri Daniel Rojas Villalba, em fevereiro passado. O caso foi revelado pela revista Consultor Jurídico em agosto passado.

A sentença que determina o retorno das crianças, julgada no Brasil e acatada também pelo Poder Judiciário do Paraguai, não foi cumprida, segundo Genilma, porque seu ex-marido conta com a cobertura de parentes que são policiais naquele país.

Genilma que está morando em Porto Alegre desde o dia 17 de agosto, quando foi trabalhar na Rede Metodista IPA.

Em 15 de setembro, Genilma encaminhou a denúncia de descumprimento da sentença judicial à Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do RS (CCDH). No dia 28 do mesmo mês foi recebida pelo cônsul paraguaio no RS, Hernán Ramirez Gonzáles.

No dia 8 de outubro, a mãe esteve reunida com o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e com o senador Paulo Paim. Em 4 de novembro, esteve com o presidente do Paraguai, no Rio de Janeiro. Ele prometeu a volta de suas crianças em 48 horas. O caso continuou na estaca zero: e as esperanças de Genilma agora residem na comissão que está no Paraguai.

Leia a entrevista à revista Consultor Jurídico

Quais os avanços em sua luta?

No dia 4 de novembro eu estive com um grupo de pessoas numa vigília diante do hotel onde foi o encontro do grupo do Rio, lá estavam presidentes e representantes de quase todos os países da América Latina. Com faixas e cartazes fizemos um protesto suplicando e insistindo com o Paraguai que meus meninos voltassem ao Brasil. Quando o presidente do Paraguai chegou, por volta das 14h do dia 4 de novembro, meia hora depois ele solicitou que um embaixador, Luis Gonzáles D Arias, descesse até onde nós estávamos.

Fui convidada a subir até onde o presidente do Paraguai estava hospedado. Subiu comigo o deputado Fabiano Pereira, que é o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, e um representante do presidente Lula, Sérgio Ferreira. Estava lá também a ministra das Relações Exteriores, Leila Rachid.

Como o presidente reagiu?

O presidente quis conhecer toda a história do seqüestro dos meus filhos. Diante de nós ele ligou para o comandante da polícia do Paraguai, dizendo que ele deveria fazer uma busca das minhas crianças, e disse que minhas crianças deveriam retornar ao Brasil em 48 horas. Isto foi em quatro de novembro e de lá para cá não temos resultados, não temos detalhes, não temos resposta de o porquê não terem sido encontradas as minhas crianças.

E agora?

Uma comitiva com quatro pessoas embarcou de Porto Alegre, que já estão em Assunção, incluindo o deputado

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 29 de novembro de 2004, 9h09

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/12/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.