Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desastre bucal

Clínica odontológica é condenada a indenizar paciente por erro

Um tratamento dentário desastroso levou a 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal a condenar uma clínica ao pagamento de mais de R$ 17 mil por danos morais e materiais. A decisão referenda sentença de primeira instância.

A autora do processo, Therezinha Machado, foi ao Instituto Brasiliense de Odontologia para fazer um tratamento de rotina. O resultado foi "catastrófico", na opinião da vítima. Segundo relata nos autos, o dentista que a atendeu, Jarbas Monteiro, não tomava cuidados básicos com higiene, como a colocação de luvas, por exemplo.

Além disso, numa das vezes em que atendeu Therezinha, o dentista deixou que a broca cortasse a boca da paciente. O ferimento causou dor e sangramento intenso à paciente, infecção na gengiva e seqüela física que também teve que ser corrigida posteriormente.

As informações prestadas pela vítima foram confirmadas em laudo técnico. A perícia revelou ainda o mal posicionamento de próteses dentárias, perfuração em raízes e o desgaste de alguns dentes. Para aliviar as dores provocadas pela sucessão de erros, Therezinha comprovou nos autos recorrer a tratamentos com acupuntura, medicação e ajuda psicológica.

Segundo os desembargadores da 2ª Turma, trata-se de um caso de responsabilidade civil objetiva. A interpretação tem duas razões: primeiro, porque diante do conjunto probatório, o prestador de serviços deve ser responsabilizado, independentemente da extensão da culpa.

Segundo, porque a situação apresentada no processo não configura como exceção ao dever da responsabilidade. As chamadas "causas excludentes" só ocorreriam se o fato fosse inexistente ou se a culpa fosse exclusivamente do usuário.

A responsabilidade objetiva está prevista no Código de Defesa do Consumidor, Lei 8.078/90. De acordo com o artigo 14, "o fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos".

A decisão da Turma mantém os valores fixados em primeira instância. Os danos morais foram estabelecidos em R$ 10 mil, acrescidos de juros e correção monetária desde a realização dos serviços dentários, em março de 1995. Os danos materiais ficaram no valor de R$ 7.154,54, com correção a partir de janeiro de 2003. (TJ-DFT)

Processo:19990110149826

Revista Consultor Jurídico, 18 de março de 2004, 13h31

Comentários de leitores

2 comentários

Apesar de ser uma responsabilidade objetiva, te...

Shirlei Coutinho ()

Apesar de ser uma responsabilidade objetiva, te que analisar a conduta do dentista diante do ocorrido.

Deus do céu.. Nós aqui morrendo de medo de dent...

Ligia Dinorah Florencio (Outros)

Deus do céu.. Nós aqui morrendo de medo de dentistas e essa senhora sofrendo tamanhos horrores nãs mãos de um "profissional" tão irresponsável. Ele ainda cobrava pelos "serviços"?

Comentários encerrados em 26/03/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.