Consultor Jurídico

Telecom Itália

Deputado insiste em investigação sobre superfaturamento

Por 

(...)“Éramos pressionados por todos os lados. As atitudes da Telecom Itália, que demonstravam total interesse no fechamento do negócio o mais rápido possível, mais as pressões vindas de Brasília, especificamente do Ministério das Comunicações, então comandado por Pimenta da Veiga.”

(...)“Eram muitos os interesses que giravam em torno desse negócio. O Ministério das Comunicações teve uma participação bastante ativa do que seria apropriado ao poder concedente.

Por diversas vezes, a diretoria da Previ foi convocada pela direção do Banco do Brasil para ir à Brasília relatar e prestar contas sobre o andamento das negociações. Fomos orientados a ter uma ação mais ativa no processo. Acompanhei o presidente Luis Tarquínio em várias reuniões com diretores e o presidente do Banco do Brasil. A função da Previ, em especial do presidente Tarquínio, era cumprir as orientações do nosso patrocinador, que é o Banco do Brasil.”

(...)

I)QUAL O RESULTADO FINAL DA NEGOCIAÇÃO DA CRT PARA A BRASIL TELECOM E PARA A PREVI?

Para a Previ, como para qualquer comprador, quanto mais barato melhor, é óbvio! No entanto as decisões não dependiam só da nossa vontade. Somos um dos acionistas da Brasil Telecom, não temos o controle total da companhia. Ainda mais sendo um fundo patrocinado por uma empresa controlada pelo Tesouro Nacional, qual seja o Banco do Brasil, que atuou com interesse e ingerência no processo.”

Doc.06 - Missiva enviada a Luiz Tarquínio, Presidente da PREVI, datada de 26 de junho de 2000, pelo Sr. Mauro Salles (Interamericana Ltda) revelando que alertou o então Presidente da República Fernando Henrique Cardoso a respeito do superfaturamento da venda da CRT.

“P.S.

Fiz uma visita ao Presidente Fernando Henrique, no Alvorada, neste sábado. Ele está acompanhando o caso com toda atenção, e revelou-se extremamente bem informado. Recebi estímulos para dar continuidade ao meu trabalho, orientando-o sempre pelo interesse nacional e o respeito às leis e normas vigentes.”

Doc.07 – em 10 de julho de 2000, o Sr. Mauro Salles, em missiva pessoal ao Ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso, traz novos esclarecimentos. Relata que esteve com o então Ministro das Comunicações, Pimenta da Veiga, e que:

“Fiquei surpreso quando o Ministro afirmou que a nossa interpretação dos posicionamentos do Presidente estavam equivocadas. Que nem o Carlos Cardoso nem eu tínhamos “entendido bem” a posição presidencial.

Sabe o caro Presidente que jamais usei a palavra presidencial no meu trabalho. Ela apenas me deu força moral para continuar lutando para que a compra da CRT fosse feita ao preço justo, na defesa dos legítimos interesses da Brasil Telecom e seus sócios, aí incluídos a Telecom Itália e a Previ, cujos objetivos me parecem estranhamente afinados.”

“Preciso uma palavra sua para dissipar as dúvidas levantadas pelo Ministro Pimenta. E para que se refaça o meu ânimo na luta contra a extorsão de vincular o crédito do BNDES, a que a Brasil Telecom tem direito desde a privatização, a uma outra operação totalmente diversa como é a compra da CRT que a Telefonica da Espanha e a Telecom Itália exigem seja feita pelo maior preço. Com esta vinculação os investidores estrangeiros pretendem desvirtuar o processo e confundir as autoridades, agindo à margem da lei e das normas regulamentares em um caminho cujos resultados maiores só poderão ser a desestruturação da CRT, o descumprimento do Plano de Outorgas e a desvalorização do PND.”

-Doc.08 - Nota jornalística publicada pela Revista Panorama, na Itália, em agosto de 2.001, a respeito da participação de Andréa Calabi neste evento:

“Ex-presidente do BNDES é um homem próximo ao ministro da Saúde, José Serra, e tornou-se representante dos interesses da Telecom Italia. QUANDO CALABI ESTAVA NO BNDES ELE FEZ DE TUDO PARA NEGAR À SOLPART, A HOLDING QUE CONTROLA A BRASIL TELECOM, UM EMPRÉSTIMO PEDIDO PELA EMPRESA. E TAMBÉM A TELECOM ITÁLIA, QUE DETÉM UMA COTA DA SOLPART, COLABOROU NESTA ESTRATÉGIA DE ASFIXIA FINANCEIRA NA ESPERANÇA DE COLOCAR EM DIFICULDADES O SÓCIO-BRASILEIRO. AGORA QUE CALABI APARECE EM CENA COMO UM DOS HOMENS DA TELECOM ITÁLIA, O FATO TRANSFORMOU-SE EM ESCÂNDALO PARA OS JORNAIS BRASILEIROS.”

-Doc.09 - nota jornalística da lavra da renomada jornalista Miriam Leitão, publicada no jornal “O Globo” de 14 de julho de 2000, onde se lê:

“-O Ministério das Comunicações quer que o imbróglio da CRT seja resolvido dentro das próximas horas. Numa reunião ontem com a Brasil Telecom deu prazo para que ela compre a empresa dos espanhóis ou desista do negócio.

- A Anatel contratou a Arthur Andersen para saber, afinal, quanto vale a CRT.”

-Doc.10 – matéria publicada pelo Correio Braziliense, em notícia divulgada pelo jornalista Cláudio Humberto, em 27 de novembro de 2001, ou seja, mais de um ano após a aquisição da CRT, que o Ministério Público estaria investigando as relações entre a Telecom Itália e o financiamento de campanha para a Diretoria da Previ:




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 18 de junho de 2004, 17h23

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/06/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.