Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ranking

Brasil perde US$ 519,1 milhões anuais com pirataria

O Brasil tem uma das menores taxas de pirataria de software da América Latina. Aqui, a atividade representa 63%, ficando atrás apenas da Colômbia (53%) e Porto Rico (46%). Por outro lado, o país registra uma das maiores perdas da indústria com o comércio ilegal --devido à grandiosidade do mercado, o valor chega a US$ 519,1 milhões anuais.

Os dados são do Estudo Global da Pirataria de Software de 2004, feito pelo IDC – International Data Corporation – e divulgado pela ABES -- Associação Brasileira das Empresas de Software -- e pela BSA -- Business Software Alliance. O estudo de 2003 foi mais abrangente em relação aos anos anteriores. Incluiu na conta softwares operacionais, direcionados ao consumidor e ao mercado local.

Segundo o levantamento, a pirataria de software no mundo inteiro representa perdas para a indústria da ordem de US$ 29 bilhões. Nesse âmbito, a Europa lidera o ranking da pirataria, com 70% de seu software de PC irregular.

Em seguida vêm a América Latina, com 63%, Oriente Médio e África, com 55%, Ásia-Pacífico, com 53%, a Europa Ocidental com 36%, e, por último, Estados Unidos e Canadá, com taxa de 23%. Em todo o mundo, o índice médio de pirataria é de 36%.

Revista Consultor Jurídico, 7 de julho de 2004, 16h25

Comentários de leitores

2 comentários

É incrível! Esses empresários contabilizam perd...

Solon Cruxên ()

É incrível! Esses empresários contabilizam perdas. Se pagassem impostos por perdas não divulgariam tais números. Por que não falam dos ganhos? Será que são tão pequenos assim? Talvez não conheçam o processo de escala, quanto menor o preço maior a venda, assim venderiam muito mais e não perderiam nenhum centavo. Não é esse o objetivo? Logo ouviremos os Bancos reclamarem de suas perdas devido à queda das taxas de juros, aguardem!

Não sou pirata, não sou soldado e não trabalho ...

Ageu de Holanda Alves de Brito (Professor Universitário - Empresarial)

Não sou pirata, não sou soldado e não trabalho na receita. Não sou nada, sou "apenas" mais um "consumidor" sem dinheiro no banco. Não entendendo muito bem o significado da palavra perda de US$ 519,1 milhões, mas, conheço bem o que é economizar R$ 1,00 na compra de um cd. Não sou jornalista, economista e tampouco político, e pela lógica do perder, alguém sai ganhando, não é isso? Não sou matemático, anarquista e nem comerciante, mas quando o consumidor compra um cd por R$ 5,00 economizando quase R$ 35,00, a "riqueza", ainda assim, ficou no país, embora no bolso do "pobre" consumidor, não isso?

Comentários encerrados em 15/07/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.