Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prisão mantida

Líderes do MST devem permanecer presos, decide ministro do STJ.

Os líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, Elemar do Nascimento Cezimbra, Francisco de Assis Moretti e Pedro Bernardo dos Santos, acusados de invasão de terras e subtração de produtos, devem permanecer presos. A decisão é do presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Nilson Naves. O mérito do habeas corpus será julgado pela Sexta Turma do STJ.

Cezimbra, Moretti, Santos e mais seis líderes do MST foram denunciados pelo Ministério Público do Estado do Paraná, por liderar cerca de 500 pessoas na invasão de uma área pertencente à sociedade comercial Araupel S/A, no município de Quedas do Iguaçu (PR), e por terem subtraído 33 toneladas de grãos de soja dos silos instalados na propriedade.

Alguns dos acusados foram presos em flagrante, no município de Laranjeiras do Sul, tentando vender os grãos.

O Juízo de Quedas do Iguaçu recebeu a denúncia e ainda determinou a prisão preventiva dos acusados e a quebra de seus sigilos bancários. Os advogados dos líderes do MST pediram o relaxamento da ordem de prisão, que foi negado pelo Juízo de primeiro grau.

A defesa dos integrantes do MST entrou com um habeas corpus no Tribunal de Alçada do Paraná, em novembro de 2003. O HC foi rejeitado. Diante de mais uma decisão desfavorável, os advogados dos líderes do MST entraram com habeas corpus no STJ.

Para os advogados, ao manter a prisão preventiva dos acusados, o TA-PR submeteu os integrantes do MST "a constrangimento ilegal, visto estarem ausentes os requisitos do artigo 312 do Código de Processo Penal (CPP), violando o princípio constitucional da presunção de inocência".

A defesa solicitou ao STJ a revogação da prisão preventiva e da solicitação de quebra dos sigilos bancários. No mérito do habeas corpus, os advogados requereram a manutenção da liminar, caso fosse deferida, para que os acusados permanecessem em liberdade, e a extinção da ação penal contra os líderes do Movimento "por inépcia da denúncia".

O pedido teve a liminar negada por Naves. "A concessão do pleito liminar não se me afigura possível, pois tal pretensão se confunde com o próprio mérito da impetração (habeas-corpus), o qual será apreciado pelo órgão colegiado no momento oportuno", concluiu o ministro. (STJ)

Revista Consultor Jurídico, 23 de janeiro de 2004, 16h01

Comentários de leitores

2 comentários

A maioria dos participantes do MST ao invés de ...

Eduardo Câmara ()

A maioria dos participantes do MST ao invés de " SEM TERRA" é formada por "SEM VERGONHA". Só querem tomar fazendas produtivas, já formadas. Não querem começar nada, com muito esforço, como tudo na vida, que vale a pena. PAU NELES

o ministerio publico esta de parabens , como ta...

Francisco de Assis Custodio ()

o ministerio publico esta de parabens , como tambem nobre Dr Juiz , por nao conceder HC , a esse malandros do MST , estao a margem da lei .

Comentários encerrados em 31/01/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.