Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Investigação sem sucesso

A pedido da PGR, Fachin arquiva um dos inquéritos contra Collor

O ministro Edson Fachin, relator da “lava jato” no Supremo Tribunal Federal), decidiu arquivar um dos inquéritos contra o senador Fernando Collor (PTC-AL). Citado em delação premiada do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, o ex-presidente foi investigado sob suspeita de receber vantagens indevidas em uma operação da BR Distribuidora — subsidiária da Petrobras — em Salvador.

Nestor Cerveró disse que Collor recebeu vantagens indevidas, mas PGR afirma que não foram encontradas quaisquer provas.
Reprodução

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou que as diligências da Polícia Federal não encontraram provas suficientes para prosseguir o caso. “Seria temerário o oferecimento de uma denúncia com base apenas em declarações de um colaborador”, escreveu ao solicitar o arquivamento.

Com base em pedido semelhante, Fachin também arquivou inquérito no qual o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) era investigado pelo crime de corrupção e lavagem de dinheiro. Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, declarou ter recebido, em 2010, a visita de Lindbergh, que teria pedido R$ 2 milhões para sua campanha ao Senado.

Segundo a PGR, porém, “os resultados das diligências realizadas, conquanto não infirmem as mencionadas declarações, não foram capazes de reforçá-las, persistindo até mesmo dúvidas em relação a circunstâncias essenciais dos fatos aqui versados, tais como o local da primeira reunião entre o investigado e o ex-diretor da petrolífera e a suposta pessoa que teria repassado os R$ 2 milhões”.

Collor ainda é alvo de outros cinco inquéritos no âmbito da operação "lava jato". Em um deles, foi acusado de corrupção e lavagem de dinheiro por supostamente ter recebido R$ 26 milhões de propina em contratos da BR Distribuidora. A denúncia, apresentada ao STF em agosto de 2015, ainda não foi analisada.

Foro especial
Após o ministro Luís Roberto Barroso sugerir limites para o foro por prerrogativa de função, Fachin disse nesta sexta-feira (17/2) que o sistema atual é “incompatível com o princípio republicano”. Enquanto o colega afirma que o Supremo pode impor restrições, Fachin afirma que os ministros ainda precisam analisar se a mudança deve ocorrer por emenda constitucional, a partir do Poder Legislativo.

“Na corte, de um modo geral, tenho me inclinado por uma posição de maior contenção do tribunal”, afirmou. Com informações da Agência Brasil.

Inq 4.250
Inq 3.988

Revista Consultor Jurídico, 17 de fevereiro de 2017, 17h38

Comentários de leitores

2 comentários

Navalhas sem cortes.

wilhmann (Advogado Assalariado - Criminal)

Se o STF recusar o recebimento da peça acusatória lastreando-se em que: só a delação não foi substancial, a porção maior dos criminosos poderão pleitear o mesmo pronunciamento. Quanto aos dois, não merecem nenhum crédito. Um foi eleito com base em alquimia de implodir os marajás; constatou-se que foi o destinatário, depois, das maracutaias . O Senador-presidente da UNE, antes um defensor da moralidade, ulteriormente, tornou-se um bajulador petista, essa verminose que emporcalha a nação.

Lindberg

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Pela 10ª vez, mais uma acusação sem provas contra o aguerrido senador é derrubada no STF. Já o outro, o odor exalado ultrapassa fronteiras.

Comentários encerrados em 25/02/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.