Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Trabalho e dedicação

Membros de MPs estaduais defendem promotores que pediram prisão de Lula

A denúncia e o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva são frutos de “meses de trabalho sério, dedicação e esforço em prol da sociedade brasileira” dos promotores Cássio Conserino, Fernando Henrique de Moraes Araújo e José Carlos Blat. Isso é o que afirmam 627 membros de Ministério Públicos estaduais em manifesto em apoio aos responsáveis pelo caso Bancoop, que envolve o petista.

Na carta, os promotores e procuradores de Justiça dizem que, “no exercício de suas funções constitucionais, muitas vezes o Ministério Público enfrenta forças políticas e econômicas de diferentes grandezas”. Contudo, eles destacam que tal combate não pode enfraquecer a instituição.

“É indispensável atravessar a turbulência sem pôr em risco conquistas históricas, entre as quais a independência funcional e o poder investigatório dos membros do Ministério Público”, argumentam, destacando que o apoio social que recebem decorre da seriedade de seu trabalho.

Essas mesmas “qualidade técnica, combatividade e independência” nortearam o trabalho de Conserino, Araújo e Blat no caso Bancoop, sustentam. Por isso, os signatários do manifesto desejam força e depositam "toda confiança no trabalho" deles, o qual é “devidamente alinhado à Constituição e às Leis da República”.

Clique aqui para ler a íntegra do manifesto.

Revista Consultor Jurídico, 13 de março de 2016, 14h53

Comentários de leitores

11 comentários

O MP precisa de um "semancol"

Thiago Com (Jornalista)

O MP na ânsia de ser protagonista da tão 'famosa' e importante operação, tem "escorregado" feio em alguns episódios. 1) O CNMP mostrando mais uma vez que seu "Conselhão" se assemelha a "sindicato", com suas decisões corporativistas por via adm, na qual defendia a permanência de um integrante do MP no Min da Justiça, algo claramente inconsitucional. Resumo: Goelada no STF, derrubado o "jeitinho" no CNMP.

2) Os promotores do MPSP querendo causar uma situação de grande impacto na operação Lava-Jato, ao pedir uma prisão preventiva do ex-pres Lula, sendo q o mesmo até o momento não oferece perigo de fuga e nem se negou a prestar depoimento.

3) O min do STF, Gilmar Mendes, já sinalizou que o MP vem abusando de suas prerrogativas através do CNMP, a exemplo, alguns "penduricalhos" q a instituição se autoconcedeu, qd quase q 'simultaneamente' copiou a resolução do CNJ p/ distribuir de forma indistinta o tão polêmico e vexaminoso 'auxilio moradia'. Conduta essa longe de ser de um "fiscal e/ou guardião" da lei. Ai vem a obcecada tese da paridade c o Judiciário. Esta q já foi questionada até no STF, para saber até aonde vai...

Enfim, diante de tantos atropelos da importante instituição, pressinto que algo será proposto p/ um maior controle e transparência da mesma. Pois corporativismo e política não condiz c a essência e finalidade da mesma.

O Dr. Hegel assinou também?

Mestre-adm (Outros)

Ou continua envergonhado?

O feitiço virou contra os feiticeiros

Bruno César Cunha (Advogado Assalariado - Civil)

Pobres promotores, que agora precisam do apoio da instituição que compõe. Quiseram aparecer na mídia através de um pedido infundado e desnecessário (como fazem com os pobres), mas deram um tiro no pé. Inépcia intelectual, confusão entre filósofos e o rechaço praticamente unânime da comunidade jurídica. Nada mais justo de virarem uma divertida piada, um preço à ser pago pela arrogância desta instituição que ao lado de juízes como Moro, estão querendo mandar no país sem sequer terem sidos eleitos para suas funções. Acho pouco a ridicularização deste trio de promotores trapalhões.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.