Consultor Jurídico

Notícias

Medida exagerada

Advogados dizem que prisão de executivo do Facebook é excessiva e ilegal

Advogados criticaram a prisão preventiva, nesta terça-feira (1º/3), do vice-presidente do Facebook na América Latina, o argentino Diego Dzoran, por impedir investigação policial, crime previsto no artigo 2º, parágrafo 1º, da Lei das Organizações Criminosas (Lei 12.850/2013). A ordem de um juiz sergipano veio após a companhia não colaborar com apurações a respeito de conversas no WhatsApp, que pertence à empresa. Segundo especialistas ouvidos pela ConJur, a medida é ilegal.

Para o criminalista Daniel Bialski, do Bialski Advogados Associados, a detenção é excessiva e desrespeita regras processuais penais. “Parece-me um abuso de poder, porque, apesar da suposta desobediência à ordem judicial, a lei processual penal proíbe, expressamente, prisão em crimes dolosos apenados com pena inferior a quatro anos. Por desconhecer detalhes, não se pode adentrar a discussão a respeito da presença da figura dolosa. Assim, a prisão é um exagero. Não se pode admitir que o direito à liberdade seja banalizado e desprezado”, comentou.

De acordo com o professor Fernando Castelo Branco, coordenador da pós-graduação de Direito Penal do Instituto de Direito Público de São Paulo (IDP São Paulo), a medida, em última análise, pode caracterizar abuso de autoridade. “Não responder a um ofício da autoridade judicial pode até caracterizar uma desobediência por parte da empresa a dar essa resposta, mas tratar isso como uma questão de encarceramento é absurdo. Existem outras medidas cautelares ou coercitivas que poderiam ser tomadas numa situação como essa”, apontou.

Francisco de Paula Bernardes Jr., sócio do Guillon & Bernardes Jr. Advogados e professor da Faap, explicou que é preciso demonstrar que a pessoa que foi presa teve a intenção direta de desrespeitar a ordem judicial. “Em qualquer outro caso, a prisão se mostra ilegal e desproporcional.”

Também nessa linha de raciocínio, o mestre em Direito Processual Penal Mauricio Silva Leite, sócio do Leite, Tosto e Barros Advogados, afirmou ter dificuldades em enxergar a existência de crime na conduta do Facebook. “A notícia relata que o aplicativo de troca de mensagens em questão não possuía os dados solicitados pelo juiz da causa. Além disso, ainda que houvesse crime, a conduta poderia se encaixar — em tese — no crime de desobediência, previsto no artigo 330 do Código Penal, o que torna a prisão desproporcional, por se tratar de crime de menor potencial ofensivo”, avaliou o especialista.

Outro lado
Por outro lado, Maristela Basso, professora de Direito Internacional da Faculdade de Direito da USP e advogada do Nelson Wilians e Advogados Associados, argumentou que o Facebook agiu de forma ilegal ao desrespeitar as requisições de informações de conversas no WhatsApp.

“Estas são as regras do jogo. Quem usa o aplicativo deve saber que a Justiça os pode requisitar à empresa. Quem administra o aplicativo deve manter os dados porque sabe que a Justiça os pode requisitar”, sustentou. “O que vige no Brasil, a exemplo dos demais países, é o Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014), que manda guardar os dados e revelar apenas se a Justiça os requisitar. Empresa que está no Brasil deve seguir as leis brasileiras.”

Revista Consultor Jurídico, 1 de março de 2016, 17h26

Comentários de leitores

12 comentários

Advogados dizem que prisão

sjdefenderall (Advogado Autônomo - Civil)

Para proteger um suposto direito, um juiz pode ultrapassar fronteiras
da lei, abruptamente, para interpretar condutas subjetivas, e atropelar
princípios constitucionais inerentes à presunção de inocência e, desde
logo, decretar a prisão antecipada do agente?

Torre de Babel

Juarez Araujo Pavão (Delegado de Polícia Federal)

O Brasil está tornando-se uma Torre de Babel, ou seja, onde ninguém se entende. Transformaram a administração pública numa bagunça e num antro de corrupção. O Executivo Federal e o Congresso Nacional passaram a confundir ética com rapinagem e esperteza. Nos meios jurídicos os senhores do mercado da advocacia, agora se arvoram de donos da verdade para definirem com o Judiciário deve decidir. Os profissionais da imprensa em nome da liberdade de expressão se acham acima do bem e do mal para descumprirem decisão judicial. Não se pode conceber que o direito individual à privacidade seja absoluto, quando se tratar de proteger a coletividade de ações criminosas. Se assim fosse, terroristas, traficantes, organizações criminosas nacionais e internacionais estariam protegidas em seus crimes, o que seria um absurdo para a paz da humanidade e o futuro das civilizações. Por isso, o judiciário brasileiro está de parabéns não só por esse caso da prisão do executivo do fecebook mas, especialmente, pelas decisões firmes e corretas que tem tomado em relação à "Lava Jato" e outras questões relevantes para País, nesse momento de bagunça generalizada da gestão pública nacional.

Apoio à malandragem!

Flávio Marques (Advogado Autônomo - Criminal)

Decisão corretíssima! Esse "sujeitinho" acha que pode simplesmente descumprir uma ordem judicial. Gostaria de vê-lo tomar uma atitude dessa nos EUA?! Acham que podem fazer o que quiser, especialmente nos países de 3º mundo. Aí, o pior, aparecem meia dúzia de sínicos para defender a malandragem. É o verdadeiro garantismo imbecil e desmedido! Isso foi o verdadeiro desrespeito á jurisdição brasileira! PARABÉNS!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/03/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.