Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Segredo mantido

Leia o voto do ministro Dias Toffoli sobre repasse de dados bancários à Receita

Por 

Só há quebra de sigilo bancário quando os dados de cidadãos entram em circulação, o que não inclui o trabalho de agentes fiscais tributários que têm acesso a registros guardados por instituições financeiras. Assim entendeu o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, ao considerar constitucional lei que libera o acesso de dados bancários ao Fisco sem autorização judicial.

Para Toffoli, lei não permite a quebra de sigilo e até prevê mecanismos a quem utilizar ou divulgar dados bancários.
Nelson Jr./SCO/STF 

Toffoli é relator de quatro ações movidas contra a Lei Complementar 105/2001, que fixa regras sobre o sigilo das operações de instituições financeiras. O ministro Luiz Edson Fachin relata um recurso extraordinário com o mesmo tema. O julgamento desses casos foi adiado nessa quinta-feira (18/2), mas a maioria do Plenário — seis ministros — já votou a favor da norma.

Assim como o ministro Fachin, Toffoli disse que não há quebra de sigilo nos procedimentos, e sim “mera transferência de informações”, pois o uso das informações pelo Fisco “não desnatura o caráter sigiloso da movimentação bancária do contribuinte e, dessa forma, não tem o condão de implicar violação de sua privacidade”.

Segundo ele, a Receita Federal pode consultar apenas “dados genéricos e cadastrais dos correntistas”, pois a lei só libera a identificação dos “titulares das operações e dos montantes globais mensalmente movimentados, sendo vedada a inclusão de qualquer elemento que permita identificar sua origem ou a natureza dos gastos a partir deles efetuados”.

O ministro diz ainda que, se forem detectados indícios de incorreções e atos ilícitos, autoridades ficam obrigadas a instaurar processo administrativo ou procedimento fiscal antes de conseguir amplo acesso aos dados bancários.  

"Qual o conjunto maior de patrimônio que detém o cidadão? Seus bens, que são — por imposição legal, não por ordem judicial — obrigatoriamente declarados à Secretaria da Receita Federal do Brasil. E, se a Receita Federal já detém o conjunto maior, que corresponde à declaração do conjunto total de nossos bens, por que ela não poderia ter acesso — também sem autorização judicial e desde que 'respeitados os direitos individuais' — ao conjunto menor?", questiona no voto.

Ainda segundo Toffoli, fica resguardada a vida íntima do correntista. A lei complementar, aponta, configura como crime a divulgação de informações bancárias e estabelece a responsabilidade civil do servidor público que utilizar qualquer dado. Como, no Brasil, o pagamento de tributos é um dever fundamental, o ministro conclui que “estamos diante de um mecanismo voltado à satisfação do interesse público primário, visto que destinado à apuração de infrações administrativas”.

Clique aqui para ler o voto.
ADI 2.390

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 19 de fevereiro de 2016, 21h58

Comentários de leitores

3 comentários

Não compro mais livros juridicos

Vladimir de Amorim silveira (Advogado Autônomo - Criminal)

Vamos fechar os cursos de pós graduação , doutorado e vamos fechar todas as bibliotecas jurídicas , pois temos no STF 07 ministros bolivarianos

Vamos julgar para a sociedade

Vladimir de Amorim silveira (Advogado Autônomo - Criminal)

Pilatos lavou as mãos por medo de Roma- A síndrome da covardia.
Já os ministros lavaram aos mãos Para jogar para a sociedade.

Perguntamos: Já que os 7 ministros quererem jogar com a sociedade porque não acabam com o auxílio moradia e férias de 60 dia e mais as licenças prêmio?
Vamos julgar conforme a sociedade gosta ?

o ministro reprovado para Juiz, so aqui mesmo .

hammer eduardo (Consultor)

E la vao o jovem ministru em seu trabalho pontual sempre servindo sem questionar aqueles que o nomearam sem possuir NENHUMA das marcas que o qualificariam para a função , mas aqui e Brasil não e mesmo ? So no Brasil e que convivemos com aparente " normalidade" com escândalos deste calibre que ofendem o bom senso mais elementar. Fica a velha e mofada pergunta a respeito de qual nível de isençao pode ser esperada de pessoas escolhidas por critérios politicos/ conveniências inconfessaveis. Na outra ponta temos a presença cada vez mais escancarada da receita federal que se transforma mais a cada dia num poder paralelo que exerce uma insuportável ganancia em cima de quem trabalha unicamente. A discussao sobre a atual " ditadura tributaria" em que vivemos esta por sinal muito atrasada, vide a relação arrecadação descontrolada versus retorno praticamente NENHUM num Pais comandado basicamente por hordas de despreparados e maltas de bandidos que assaltam diariamente e cada vez mais sem cerimonia o erário publico. Graças a Deus que o depauperado estado Brasileiro pode sempre com a " colaboração" de pessoas imbuídas de boas intenções como o jovem e despreparado ministro. So aqui mesmo !

Comentários encerrados em 27/02/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.