Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lavagem de dinheiro

Nova fase da "lava jato" investiga empréstimo pago pela Petrobras

A Polícia Federal cumpre nesta sexta-feira (1/4) mais uma fase da operação "lava jato", que investiga um esquema de corrupção na Petrobras. Desta vez o objetivo dos mandados é aprofundar a investigação de lavagem de dinheiro de cerca de R$ 6 milhões de um empréstimo do Banco Schahin que foi pago com recursos da Petrobras.

De acordo com o portal G1, foram expedidos mandados de prisão contra empresário e dono do jornal Diário do Grande ABC e de empresas do setor de transporte e coleta de lixo Ronan Maria Pinto e o ex-secretário geral do PT Silvio Pereira.

O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares — condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão — é alvo de condução coercitiva. Também é alvo da mesma medida o jornalista Breno Altman. Os mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas empresas DNP Eventos, Expresso Santo André e Diário do Grande ABC.

Ao todo são 12 ordens judiciais: três mandados de busca e apreensão e dois de condução coercitiva em São Paulo (SP), um mandado de busca e apreensão e um de prisão temporária em Carapicuíba (SP), um mandado de busca e apreensão em Osasco (SP) e três mandados de busca e apreensão, além de um de prisão temporária em Santo André (SP).

Empréstimo investigado
De acordo com o Ministério Público Federal, durante as investigações da operação "lava jato", constatou-se que Jose Carlos Bumlai — preso desde 25 de novembro do ano passado —, contraiu um empréstimo fraudulento junto ao Banco Schahin em outubro de 2004 no montante de R$ 12 milhões. Segundo os investigadores, o empréstimo, no entanto, tinha por finalidade a “quitação” de dívidas do Partido dos Trabalhadores (PT) e foi pago por intermédio da contratação fraudulenta da Schahin como operadora do navio-sonda Vitória 10.000, pela Petrobras, em 2009, ao custo de US$ 1,6 bilhão. Esses fatos já haviam sido objeto de acusação formal, sendo agora foco de uma nova frente investigatória.

Segundo o MPF, a partir de diligências, descobriu-se que, do valor total emprestado de R$ 12 milhões a Bumlai, pelo menos R$ 6 milhões tiveram como destino o empresário do município de Santo André (SP), Ronan Maria Pinto. Conforme a decisão que decretou as medidas cautelares, “a fiar-se no depoimento dos colaboradores e do confesso José Carlos Bumlai, os valores foram pagos a Ronan Maria Pinto por solicitação do Partido dos Trabalhadores”. Segundo os investigadores, para fazer os recursos chegarem ao destinatário final, foi arquitetado um esquema de lavagem de capitais, envolvendo Ronan, pessoas ligadas ao PT e terceiros.

O Ministério Público Federal afirma que há evidências que apontam que o PT influiu diretamente junto ao Banco Schahin na liberação do empréstimo fraudulento.

Para chegar ao destinatário final Ronan Maria Pinto, os investigados se utilizaram de diversos esquemas para ocultar a origem dos valores e o destinatário final do dinheiro. Segundo o MPF, há provas que apontam que o esquema começou por intermédio da transferência dos valores de Bumlai para o Frigorifico Bertin, que, por sua vez, repassou a quantia de aproximadamente R$ 6 milhões a um empresário do Rio de Janeiro envolvido no esquema. 

Este empresário carioca teria então feito transferências diretas para a Expresso Nova Santo André, empresa de ônibus controlada por Ronan Maria Pinto, além de outras pessoas físicas e jurídicas indicadas pelo empresário. Dentre elas o então acionista controlador do jornal Diário do Grande ABC, que segundo o MPF recebeu R$ 210 mil em 2004. Na época, o controle acionário do periódico estava sendo vendido a Ronan Maria Pinto em parcelas de R$ 210 mil. 

Outras pessoas possivelmente envolvidas na negociação para a concessão do empréstimo fraudulento também são alvo da operação. Segundo o MPF, um dos envolvidos recebeu recursos de pessoas e empresas que mantinham contratos com a Petrobras e que já foram condenadas no âmbito da operação "lava jato". De acordo com os investigadores, alguns dos envolvidos já tiveram prévio envolvimento com crimes de corrupção. Com informações da Assessoria de Imprensa do MPF e da Agência Brasil.

Clique aqui para ler a decisão.

Revista Consultor Jurídico, 1 de abril de 2016, 9h09

Comentários de leitores

4 comentários

Dr.Alvaro Jr , o egoista !

hammer eduardo (Consultor)

Prezado Dr.Alvaro , o Senhor foi muito egoísta na abordagem do assunto e deixou pouco espaço para os demais. Bato palmas para seu comentário impecável e assino embaixo virtualmente caso isto seja possível.
A morte do Prefeito Celso Daniel equivale para a quadrilha petralha a uma pedra de Kryptonita nas mãos do super homem , eles se sujam pelas pernas abaixo de medo de alguém remexer num caixão que eles "achavam" que estava bem fechado e muito bem enterrado. Também não devemos esquecer de um outro Prefeito que era da agremiação petralha chamado de "Toninho do PT" que também foi "morrido" em condições nunca muito bem explicadas como sempre. Apenas os muito nescios conseguem ainda embarcar nas conversinhas deles ou não vislumbrar os "métodos operacionais" desta verdadeira QUADRILHA de estrelinha no peito que transforma os métodos da Mafia italiana em códigos do manual do escoteiro dos sobrinhos do Pato Donald.
O desgoverno cleptocrata e incompetente do dilmão esta MORTO e falta apenas marcar a hora que vai sair o féretro. Não que viraremos a Suecia em seguida com o "porteiro do castelo mal assombrado" mas atualmente ate Gengis Khan de presidente e Hitler de Vice ainda seria considerado lucro no atual estado de esculhambação descontrolada em que Nos encontramos. dilmão esta sitiada em seu palácio fazendo reuniões pateticas que lembram as de Hitler nos últimos dias em seu bunker de Berlim. Levar as sabatellas da vida e outros esquerdopatas inúteis na função de "plateia amestrada" em nada muda o quadro de mergulho final do PTnic nas aguas pútridas e enlameadas da corrupção sem controle. Deus nos proteja sempre pois com essa "crassi" de ladrões esta cada dia mais difícil.

fase carbono 14

afixa (Administrador)

a idéia é descobrir a origem.
parece que em 2002 vigia a máxima. "farinha pouca, meu pirão primeiro".
deu no que deu.

O assunto mais temido pelo PT: O HOMICÍDIO DE CELSO DANIEL!

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

O Diário do Grande ABC vinha fazendo reportagens que incomodavam ao PT por trazerem esclarecimentos acerca dos fatos envolvidos no homicídio de Celso Daniel.
Qual foi então a solução articulada para resolver esse incômodo? Ora, a aquisição do jornal por um "camarada" chamado Ronan Maria Pinto que não provocasse tais incômodos, que não seguisse a linha da "mídia golpista" que informa a população acerca do mensalão e do petrolão, entre tantos outros.
O assunto mais temido pelo PT não é o mensalão ou o petrolão. O que verdadeiramente revela a essência mafiosa do PT é o homicídio de Celso Daniel, algo que essa organização criminosa tinha até então conseguido manter longe dos holofotes.
Conforme noticia a revista Época, "Foram expedidos mandados de prisão temporária contra o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira e o empresário Ronan Maria Pinto. Se o empresário virar um delator, as investigações vão se aprofundar ainda mais rápido em um tipo de crime até então inédito para a Operação Lava Jato, o homicídio" (http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2016/04/operacao-lava-jato-se-aprofunda-em-extorsao-por-assassinato-de-celso-daniel.html).
Após o espetáculo bizarro protagonizado pela esquerda caviar ao longo desta semana vai ficar muito mais difícil sustentar o conto de fadas da ameaça de golpe.
Se é que ajuda esse (des)governo de alguma forma, será mais eficiente ver gente como Letícia Sabatella dizer que é de "oposição". Com esse tipo de "oposição" chapa branca, água com açúcar, subserviente e dócil, esse (des)governo não precisa de base aliada nenhuma para manter o seu esquema criminoso em funcionamento.
Álvaro Paulino César Júnior
OAB/MG 123.168

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/04/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.