Consultor Jurídico

Notícias

Captação de clientela

Associação que prestava serviços jurídicos no PR é impedida de atuar

Por 

Uma associação não constituída como sociedade de advogados não pode exercer atividades próprias da advocacia, pois isso seria exercício ilegal da profissão. Por isso, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região manteve liminar — obtida em antecipação de tutela e confirmada em sentença — que impede  a Associação Brasileira de Assistência ao Cidadão (Abraci) de praticar atos privativos de advogado no estado do Paraná.

A Abraci deve se abster de prestar assessoria, consultoria e assistência jurídicas; de captar clientela por pessoa interposta; de ingressar com iniciais na Justiça; de emitir procurações e substabelecimentos, contemplando poderes, para o ajuizamento de ações em favor de terceiros; e de elaborar contratos de honorários. Em caso de descumprimento, a entidade terá de pagar multa de R$ 50 mil, a cada infração comprovada.

No primeiro grau, o juiz federal Paulo Mário Canabarro Trois Neto, ao conceder a liminar pedida pela Ordem dos Advogados do Brasil do Paraná, observou que o Estatuto Social da Abraci contempla, essencialmente, a prestação de serviços jurídicos aos seus associados sobre demandas de energia elétrica, financiamento de veículos, previdenciário, questões consumeristas (cobranças abusivas) etc. E esta atuação é vedada pelo Estatuto da OAB (Lei 8.906/1994). O artigo 1º diz que "as atividades de consultoria, assessoria e direção jurídicas" são privativas de advocacia, bem como a postulação em qualquer órgão do Poder Judiciário.

Para Trois Neto, a filiação serve, apenas, para ‘‘prestar aparência de legalidade’’ à associação. ‘‘A toda evidência, as pessoas procuram a Abraci direcionadas a reaver eventuais valores cobrados indevidamente, nos moldes da propaganda veiculada, e não com o objetivo de associarem-se para a defesa de seus direitos". Depois disso, explica, outorgam procuração à associação, e não a advogado, e firmam contrato de prestação de serviços, nos quais parcela considerável do montante percebido na eventual ação proposta é repassada à entidade a título de honorários.

O juiz-substituto Christiaan Allessandro Lopes de Oliveira, da 1ª Vara Federal de Francisco Beltrão, confirmou a liminar, por não vislumbrar nenhuma prova de realização de atividade próprias de uma instituição voltada ao bem social. Ao contrário: apenas, prova de representação judicial individualizada.

"O que realmente não se pode admitir, entretanto, é que advogados ou mesmo escritórios de advocacia, travestidos de associações para defesa de determinada categoria ou interesse, se utilizem desta instituição com a finalidade captar clientela através de anúncios e entrevistas em jornais, distribuição de panfletos e outros meios, todos eles vedados pelo Código de Ética [do Estatuto da Advocacia]. O serviço profissional do advogado não é uma mercadoria que se oferece à aquisição dos consumidores", afirmou a desembargadora Marga Inge Barth Tessler, relatora do caso na 3ª Turma, ao negar a Apelação da Abraci. O acórdão foi lavrado na sessão do dia 21 de outubro.

Clique aqui para ler a liminar.

Clique aqui para ler a sentença.

Clique aqui para ler o acórdão.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 22 de novembro de 2015, 9h01

Comentários de leitores

6 comentários

Oras,

Criolo Doido (Outros)

Não é justamente isso que aquele Celso Russomano faz por meio de sua associação?

Aquele mesmo, ligado a Universal e candidato com mais intenções de voto para a prefeitura de São Paulo...

povo desenvolvido...

frank_rj (Outro)

...já abriu mão da obrigatoriedade de advogado faz tempo. tb defendo isso, com o aperfeiçoamento do processo eletrônico e garantia de assistência judiciária aos hipervulneráveis. medicina é para médicos, mas quem não reune condições para pagar e não quer encarar o SUS, não será processado se se tratar por conta própria. o debate não é se há charlatães no mercado, mas a liberdade individual, inclusive de assumir os riscos de ir ao judiciário sem advogado.

Somente o poder judiciário

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

A OAB mesmo não faz nada para impedir esse tipo de mercantilização da advocacia por picaretas. Ela burocratiza as denúncias. Mas, no poder judiciário, o buraco é mais para baixo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/11/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.