Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fazendo as contas

Ação pede antecipação de 13º salário a aposentados e pensionistas do INSS

O Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical (Sindnapi) ajuizou no Supremo Tribunal Federal a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 363, com pedido de medida liminar, solicitando que o governo federal seja obrigado a antecipar o pagamento da primeira parcela do 13º salário. O relator da ADPF é o ministro Celso de Mello.

Na ação, o sindicato argumenta que o Poder Executivo e as entidades sindicais celebraram um acordo com a finalidade de antecipar o pagamento no benefício no mês de agosto e que, até o momento, o governo federal não deu andamento ao decreto para liberar a antecipação da primeira parcela da gratificação.

“O acordo que garante a antecipação do abono salarial vem sendo cumprido desde 2006, inclusive de forma tácita, desde 2010, de modo que já incorporou o patrimônio jurídico destes se tornando um direto adquirido, conforme artigo 5º, XXXVI, da Constituição Federal”, diz o Sindinapi.

A ADPF 363 pede, liminarmente, que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) seja compelido a pagar a antecipação do abono salarial dos aposentados e pensionistas do regime geral de previdência social, uma vez que “grande parte deles já negociou junto às instituições financeiras a antecipação do benefício”.

No mérito, a ação pede que o STF dê à Lei 4.749/1965 e ao Decreto 57.155/1965, que regulamentam o pagamento de gratificação de Natal a trabalhadores, interpretação conforme a Constituição, “de modo a declarar, à luz dos preceitos fundamentais, que o acordo celebrado entre o Poder Executivo e as entidades representativas dos aposentados e pensionistas tem eficácia plena e, portanto, tem aplicabilidade imediata”.

Antecipação em xeque
Desde 2006 o governo tem feito esse pagamento da antecipação em agosto. No entanto, diante da crise econômica, o governo federal ainda não definiu quando vai fazer a antecipação da primeira parcela do 13º dos aposentados e pensionistas. 

Devido ao impasse, a Defensoria Pública da União (DPU) questionou os ministérios da Fazenda e da Previdência Social sobre suposto adiamento do pagamento. A DPU pede um posicionamento expresso do governo federal para avaliar se há a necessidade ou não de ajuizar uma Ação Civil Pública contra a União.

Segundo o defensor público federal Daniel Macedo, titular do 2º Ofício de Direitos Humanos e Tutela Coletiva da DPU no Rio de Janeiro, a interrupção da antecipação do abono será considerada violadora do princípio da confiança legítima, que recebe proteção legal. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF e da DPU.

ADPF 363

Revista Consultor Jurídico, 21 de agosto de 2015, 10h06

Comentários de leitores

2 comentários

Caixa única não seria a solução?

Luiz Fernando Vieira Caldas (Contabilista)

Sabemos que a Lei determina que a primeira parcela devera ser paga até 30 de novembro. A segunda, com os devidos descontos, até 20 de dezembro.Assim sendo, se este ano não houve antecipação para nenhuma outra categoria, esse "desgovernos", neste caso, esta procedendo dentro da Lei. Mas, é sabido que militares e funcionários públicos, receberam a primeira parcela do 13 desde julho/2015. Nesse caso, a Presidente e o Ministro da Fazenda estão inclusos.(farinha pouca, meu pirão primeiro) Acredito, que a solução para essas "injustiças" seria a implantação do Caixa Única, onde seria centralizado todo e qualquer beneficio. Militares, Funcionários Públicos, Iniciativa Privada e, principalmente, dos nossos políticos que ficariam sujeitos a regra geral, sem as benesses das aposentadorias após dois mandatos.
Obs.
Eu já recebi a minha parcela do 13 mas, acho injusto esse privilegio, principalmente por conhecer o desespero de alguns aposentados do INSS. que por falta de um comunicado da não antecipação, estão comprometidos com instituições financeira.

Complicado

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

O curioso é que eles reconhecem que o acordo para antecipar o 13º teve a validade expirada em 2010, mas mesmo assim querem que o STF determine o pagamento, como se o STF fosse um ser todo poderoso que pode tudo.

E ai nós vamos ver os fundamentos "jurídicos" e tá lá, direito à cidadania, dignidade da pessoa humana (esse é um dos preferidos), garantia ao desenvolvimento nacional, todos preceitos extremamente abertos e subjetivos. O pior é que na petição inicial se requer o reconhecimento de DIREITO ADQUIRIDO dos aposentados a receber a antecipação do 13º salário no mês de agosto.

Mas do jeito que anda o ativismo no STF não dá pra duvidar que os Ministros julguem procedente o pedido...

Comentários encerrados em 29/08/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.