Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lava jato

Ex-diretor da Petrobras e mais 17 pessoas são presas em operação da PF

A Polícia Federal em Curitiba prendeu nesta sexta-feira (14/11) o ex-diretor de serviços da Petrobras Renato Duque e mais 17 pessoas de forma temporária e preventiva. Todas as prisões fazem parte da sétima fase da operação lava jato. Também foram cumpridos seis mandados de condução coercitiva.

Os investigados que não foram localizados até o momento tiveram os nomes inscritos no sistema de procurados e impedidos da PF e estão proibidos de deixar o país.

De acordo com a PF, alguns executivos das sete maiores empreiteiras do país mantinham, nas últimas semanas, atitudes suspeitas, prevendo que poderiam ser alvo de uma operação policial. Segundo o delegado da PF, Igor Romário de Paula, responsável pela operação, essa pessoas dormiam fora de casa e viajam com frequência.

Ele negou, entretanto, que tenha havido vazamento de informações. “Alguns vinham saindo do país com frequência ou dormiam em hotéis, apartamentos nitidamente com caráter de não permanecer [nas residências fixas]. Isso se comprovou hoje com alguns sendo encontrados em outras cidades.”

Ao todo, sete empreiteiras, com contrato de mais de R$ 59 bilhões com a Petrobras foram alvo da operação deflagrada nesta sexta. “São aquelas em que o material apreendido e as quebras de sigilo dão material robusto para mostrar o envolvimento delas na formação de cartel, desvio de recursos para corrupção de agentes públicos”, disse o delegado.

Ainda de acordo com a PF, os executivos das empreiteiras presos hoje participaram diretamente da celebração de contratos com a Petrobras. Outros alvos da operação tiveram participação secundária ou atuaram no transporte de recursos obtidos de forma ilícita para doleiros, que posteriormente faziam a lavagem.

Na sétima fase da operação lava jato foram expedidos 85 mandados judiciais e decretado o bloqueio de aproximadamente R$ 720 milhões em bens pertencentes a 36 investigados. Foi autorizado também o bloqueio integral de valores pertencentes a três empresas referentes a um dos operadores do esquema.

Os grupos investigados registraram, segundo dados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), operações financeiras atípicas no montante que supera os R$ 10 bilhões. Os envolvidos responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de organização criminosa, formação de cartel, corrupção, fraude à Lei de Licitações e lavagem de dinheiro.

Os mandados foram cumpridos nos estados do Paraná, de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais, Pernambuco e no Distrito Federal. Ao todo, mais de 300 policiais federais e 50 servidores da Receita Federal participaram da operação. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 14 de novembro de 2014, 20h23

Comentários de leitores

1 comentário

Dando entretenimento às massas

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Li, li, e não achei nenhum argumento justificando a restrição da liberdade de ir e vir dos "investigados".

Comentários encerrados em 22/11/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.